Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Bike Azores

A visão de um ciclista açoriano sobre as bicicletas e o ciclismo.

Bike Azores

A visão de um ciclista açoriano sobre as bicicletas e o ciclismo.

Tecnologia a pedais

Sim ou não? Eh pá, não! Quer dizer, não é um não redondo, definitivo e inflexível, até porque depende da abordagem, do tipo de utilização e da própria tecnologia. Além disso, não gosto de fundamentalismos.

Se me perguntarem: mudanças eletrónicas? Eh pá, não! Não mesmo! Agora se me perguntarem: travões de disco numa bicicleta de estrada? Eh pá, sim! Lá está, é a minha abordagem.

Acredito que as mudanças eletrónicas sejam uma maravilha de utilizar, rápidas, silenciosas, eficazes, mas sinceramente, estar dependente de baterias e de carregamentos, mesmo que aquilo dure imenso… Depois tem um grau elevado de sensibilidade e complexidade quando comparado com um equipamento mecânico. E é tudo menos barato. Não é para mim!

Chateia-me a dependência que a tecnologia cria. É mais ou menos como aquela cena de estarmos no trabalho e o PC ir à vida e… para tudo! Se esta dependência existe não tem necessariamente de ser alargada para algo que acho que deve ser simples e descomplicado.

Quanto aos travões de disco, este equipamento em si não tem nada de inovador, a novidade apenas reside na sua adaptação à estrada. Polémicas à parte (lesões em caso de queda?!), acho que o incremento substancial ao nível do funcionamento e da segurança podem justificar a sua utilização.

Normalmente, quem é mais conservador e tradicional nos materiais empregues na construção de uma bicicleta não gosta muito de carbonos e afins. Às vezes brinco com isso, mas reconheço a mais-valia de materiais mais nobres. E aqui, claro, estamos a falar de elevada tecnologia. Agora por questões estéticas, custos e tipo de utilização não consigo arranjar justificação para ter um quadro em carbono todo XPTO, em vez do aço que estrutura a minha “estradeira”.

Para mim e de um modo geral, nas bicicletas, mais tecnologia implica mais cuidados, mais custos e mais chatices. E para chatices já me bastam todas as outras!

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D