Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

A visão de um ciclista açoriano sobre as bicicletas e o ciclismo.

30.01.17

Volta ao concelho, sem mudanças!


Rui Pereira

O prometido é devido, já dizia Rui Veloso na canção. Não foi uma promessa, mas anunciar as coisas publicamente motiva a sua concretização. Ora então, a ideia era fazer a volta ao concelho de Ponta Delgada começando pelas freguesias a Norte (nunca tinha feito, pelo menos na versão tradicional), com a minha bicicleta sem mudanças – Globe Roll1.
Apenas um pouco de apreensão pela novidade, que se veio a revelar infundada. Garrafa de água de 33cl no jersey, já que esta bicicleta não permite o seu transporte no quadro, e chave de bocas de 15mm na bolsa de selim, não fosse ter algum furo e precisar tirar uma roda. Estavam resolvidos os constrangimentos iniciais.
Normalmente, não faço distâncias tão grandes com a Roll, já que é uma bicicleta mais exigente, lenta e limitada, mas para este tipo de volta mais plana adapta-se minimamente. Curiosamente, na versão carreto livre consegue ser mais confortável do que a Allez. A volta correu melhor do que estava à espera, tanto que no centro de Ponta Delgada recusei boleia, já que ainda estava perfeitamente disponível para fazer os restantes quilómetros que me separavam do ponto de partida.
Agora tenho de fazer o percurso neste sentido com a bicicleta de estrada, para verificar as diferenças de forma mais concreta, tanto do percurso como da bicicleta… Ou então isso não passa de uma desculpa para voltar ao lado Oeste da Ilha…

 

roll_mosteiros.jpg

30.01.17

Espiral de pedaladas


Rui Pereira

Nos últimos tempos, as minhas saídas de bicicleta tiveram como denominadores comuns o facto de serem algo irregulares, começarem tarde e serem essencialmente curtas. Este ano tenho vindo a alterar isso e a tirar outro prazer das distâncias e dos meus passeios em geral. Tenho-me proposto uma série de desafios, que para alguns pouco representam, mas que para mim, e há poucos meses atrás, estariam completamente fora de questão. A este facto, também não será alheio o meu regresso a um blogue temático, já que uma coisa leva à outra…

28.01.17

RAP – Rimas a Pedais


Rui Pereira

Sou eclético e tolerante, o que se reflete na minha relação com as bicicletas, com a música, com tudo. Desde novo ganhei um gosto especial pelas sonoridades mais pesadas e agressivas – Metal, mas a diversidade que abranjo é cada vez maior. Assim, e mais recentemente, descobri o rap e o hip-hop, já que fiquei fascinado com a capacidade de escrever e debitar rimas dos MC’s. Histórias de vida, reais, duras ou não, contadas a rimar com muita competência, acompanhadas pela batida certa. Isso fez-me querer experimentar este tipo de escrita, completamente nova para mim, já que sempre a encarei com algum preconceito. Algumas experiências incluíram bicicletas. Acho presunçoso falar em poemas, são apenas rimas. No caso, rimas a pedais!


Bikes & Rimas

Trato por tu as ruas de PDL
Percorro-as a pedais
Com as minhas bikes
Tal como o faço em muitas outras na ilha de S. Miguel

É um estilo de vida
É um prazer
É uma liberdade única
Do melhor que se pode fazer

O trânsito, eu contorno
As filas, eu não componho
Chego rápido a todo o lado
Pela mão ou montado

Estacionar não é dor de cabeça
Prendo-a a um poste ou a um U invertido
A sério, sinto-me tão bem
É libertador e divertido

Ela leva-me ao mar
Vou à minha sessão de exercício
Ela leva-me sem parar
Pedalar é mesmo um vício

Nos CTT deixa correspondência
Na bagageira um saco de 5kg de aveia
A trepidar na habitual cadência
Lá vou eu com ela, de alma cheia

Máxima economia
Zero poluição
A bicicleta vai onde quero
Apenas gasta calorias
Está só do nosso lado a limitação

Seja ela qual for
É o veículo mais amigo
Simples e divertido
É com ela que quero ir ao meu lugar preferido

Rodas e pedais
Aqui está a receita para os teus males
Sim, não duvides
Estes são analgésicos reais

Quero pedalar para sempre
Quero pedalar em todo o lado
Quero ter as minhas companheiras de ferro
Sempre, sempre, ao meu lado!

De bike, yeah!

Pego na minha bike
Deixo-me levar por ela
Nas redes dava-lhe um like
É ela se que revela

Sigo a um ritmo rápido
Para trás vejo tudo distante
Esta cena é um bom hábito
Quem a inventou foi brilhante

A tentar fazer sentido
Com os pedais eu me amanho
Mas para tirar real partido
Não tens de seguir o rebanho

Comprar uma é valor seguro
Andar nela é motivo de orgulho
Usufruir de uma nova dinâmica
Agora com visão panorâmica

Meter rotações nos pedais
Definir a cadência a imprimir
Não é preciso nada de mais
Basta pedalar e partir

É uma forma de viver
É o que mais gosto de fazer
É um estilo de vida
É a minha melhor saída.

27.01.17

Roupa para andar de bicicleta


Rui Pereira

Não existe roupa para andar de bicicleta. Ou melhor, existe, mas para andar de bicicleta não é obrigatório vesti-la!
Depende muito do que se faz e como se faz. Gosto de andar da forma mais simples possível, o que para mim também é a mais confortável, embora este conceito seja subjetivo. E até podem existir peças obrigatórias dependendo das voltas e da bicicleta em uso, mas nada de muita exuberância e excessos.
Nas minhas deslocações diárias uso sempre e apenas roupa normal. Não uso capacete. Aliás, não há nada obrigatório, mas, curiosamente, costumo usar óculos de sol, mesmo que o sol não se faça sentir. Na altura do ano mais instável, um casaco prático que possua caraterísticas corta-vento e impermeáveis pode dar jeito. Como praticamente todos os que uso têm estas caraterísticas não tenho com que me preocupar. Prefiro estar sempre mais fresco, pois a pedalar é normal que a temperatura corporal suba.
Nas minhas voltas ao fim de semana, com bicicleta de estrada ou de BTT, o capacete, as luvas, os óculos, a roupa de licra e os sapatos de encaixe são obrigatórios. Mas fico-me por aqui. Mais uma vez a simplicidade e a leveza a imperar. Não gosto de peças como golas/lenços, corta-ventos, impermeáveis e coisas do género. Só uso em situações muito específicas ou extremas. Prefiro passar um pouco de frio e até apanhar chuva do que andar incomodado. Em voltas mais intensas, a temperatura sobe e surge a transpiração, o calor e as comichões. Eh pá não, antes frio! Para além disso, estas peças incomodam-me ao nível da liberdade de movimentos. Ainda a este nível, é muito raro usar as pernas completamente tapadas. Não vou negar que pontualmente, certos equipamentos poderiam ser úteis, mas tenho conseguido passar bem sem eles.
Nos meus passeios em família junto um pouco dos dois mundos. O ritmo e a atitude são diferentes e reina a descontração. Assim, combino roupa normal com roupa técnica, sem grande critério.
Como em tudo, cada um deve fazer aquilo que lhe for mais conveniente, seja vestir-se todo de licra, seja manter as calças de ganga. Triste é apontar o dedo aos outros por não estarem devidamente vestidos para andarem de bicicleta ou não pedalarem com a desculpa de não terem a roupa adequada!


Mascarade
Olá petchenas e rapazins, tude bem?
No outre dia, e atençã tava um bele dia, vi alguém a andá de bcecléte...
E o que é qu'isse interessa? - perguntim vocezes!
E ê pergunte: Já tames no carnaval?
E vocezes perguntim: Porquié?
E ê responde: É porque esse alguém ia mascarade...
Ma tã mascarade que até fiquê tode arregalade!
Bêjes e abraces.
Zabela & Besuga: É uma espécie de rubrica do blogue, onde o Zabela (personagem fictícia que caricatura um homem simples da ilha de São Miguel, que se desloca para todo o lado com a sua bicicleta) escreve tal como fala, com um carregado sotaque micaelense, e a Besuga é exatamente a sua fiel e amada bicicleta, companheira crónica de inúmeras aventuras.

25.01.17

E com esta fui arrumado!


Rui Pereira

Como não será de estranhar, muitas das minhas conversas metem bicicletas pelo meio. Quando falo com pessoas minimamente entendidas, interessadas ou simplesmente curiosas, até dá gosto, mas existem outras para as quais tenho cada vez menos pedalada..., paciência, queria dizer. É uma clara perda de tempo e sou invariavelmente tomado por aquela sensação de estar a ser um grande parvo!
Mas por outro lado, é uma forma de ouvir tiradas únicas.
Certa vez, em que me era dirigido um discurso carregado de desculpas e preconceitos sobre andar de bicicleta, e enquanto pensava que pior do que tinha ouvido até então seria impossível, o meu interlocutor conclui com a espetacular frase - "Não gosto de me cansar!" 
Respondi-lhe com o meu profundo silêncio...
E com esta fui arrumado!


Desapega-te!
Olá petchenas e rapazins, tude bem?
Isse sai-me cada sainhas!
- Ême, nã quere andá de bcecléte porque fique com dôs no rabim e nas perninas!
Ême, nã quere andá de bcecléte porque fique com dôs nos bracins e nas mãzinhas!
Ême, nã quere andá de bcecléte porque fique munte cansadim e nã goste de me cansá!
Ême, nã quere andá de bcecléte porque fique chê de fraqueza!
- Ouh, pára aí... Já acabaste?
Entã desapega-te daqui pra foura!
Bêjes e abraces.
Zabela & Besuga: É uma espécie de rubrica do blogue, onde o Zabela (personagem fictícia que caricatura um homem simples da ilha de São Miguel, que se desloca para todo o lado com a sua bicicleta) escreve tal como fala, com um carregado sotaque micaelense, e a Besuga é exatamente a sua fiel e amada bicicleta, companheira crónica de inúmeras aventuras.

23.01.17

Volta ao concelho de Ponta Delgada


Rui Pereira

allez_relva.jpg

 

A última vez que fiz esta volta apanhei o percurso que vai entre Mosteiros e João Bom em obras, com a parte ainda asfaltada muito suja e esburacada e outra em gravilha, muito pouco adequada aos pneus finos e duros de uma bicicleta de estrada. Para além do desconforto, ainda deu para apanhar um susto ou outro, numa reta a descer, onde a gravilha apresentava maior altura. Não passou disso, mas decidi logo ali que só voltava quando tivessem a estrada composta.
Soube recentemente que já estava asfaltada e então ontem foi dia de fazer esta tão conhecida volta. Sendo que a minha versão é um bocadinho mais esticada ao centro. Seja como for, é sempre uma forma de aferir a minha forma, seja pelo tempo a realizar, seja pela forma como o corpo reage, durante e depois. E sobretudo, pelo desafio e pelo prazer de fazer algo de que gosto tanto.

 

allez_escalvado.jpg

 

Prima por ser uma volta essencialmente plana, embora por aqui, o conceito de plano não seja bem igual ao de outras paragens. O Facto, é que não há nem grandes subidas nem grandes descidas, principalmente na minha versão. Além disso é relativamente longa. Isso para mim não é necessariamente bom! Não sou grande rolador e começo a ficar maçado com alguma facilidade. Mói, portanto, prefiro que haja mais desníveis e variações. Mas também não é por isso que a deixo de fazer.
O tempo estava bom para a prática do ciclismo, embora se fizesse sentir um vento incomodativo em algumas zonas. Mas nada de mais. Se calhar já eram as minhas pernas a falar mais alto e a reagir mal à mais pequena contrariedade, já que comecei com elas cansadas e doridas, fruto de umas “invenções” dos dias antes.
Mas correu tudo bem, que é o que interessa. Até agendei mentalmente novas edições. Está em falta uma volta, neste figurino, no sentido Norte/Sul e outra com a minha bicicleta sem mudanças. Se calhar vou juntar as duas numa só…

19.01.17

invade.


Rui Pereira

invade_classic.jpg

 

Esta é a segunda fotografia que tiro neste local. A mesma bicicleta. Órbita Classic. As mesmas letras gordas no chão. O mesmo mar. O meu mar. Portas do Mar. O céu limpo a provar que nos Açores não está sempre a chover. Um dia de verão mais fresco. O cenário perfeito para a celebração da decisão de ter incluindo a bicicleta na minha rotina diária. A minha melhor rotina. Uma invasão de liberdade e prazer.

19.01.17

As bicicletas e a escrita


Rui Pereira

Pronto, domingo passado não fui andar de bicicleta, por um bom motivo é certo, mas certo é também o facto de isso ter-me influenciado negativamente ao nível da regularidade da escrita. Está tudo interligado, não é novidade. Estou farto de saber que quanto menos leio, escrevo e ando de bicicleta, menos escrevo! Bom, na verdade, se a temática abordada não for a bicicleta, se calhar não tem assim tanta influência, mas se é, até posso andar porque se forem voltas pouco relevantes e repetitivas, as palavras podem ficar pelo caminho. Isso revela a importância que as bicicletas têm na minha vida. Ou não fossem sobejamente conhecidas as suas qualidades terapêuticas. Reflexão, ânimo, motivação, boa disposição e inspiração, que vão fazer fluir a prática específica, tal como outras vertentes. A escrita é uma delas!

Pág. 1/2