Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

A visão de um ciclista açoriano sobre as bicicletas e o ciclismo.

Bike Azores

A visão de um ciclista açoriano sobre as bicicletas e o ciclismo.

Tudo por causa de uma câmara-de-ar!

Há quem não seja muito prevenido e ache que os furos só acontecem aos outros, portanto, ter na sua posse material necessário para fazer face a esta situação não é uma preocupação (às vezes faço parte deste grupo). E há quem não seja prevenido porque mesmo que tivesse o respetivo material não saberia como proceder.
Na generalidade, estamos a falar apenas de câmara-de-ar (adequada), desmonta-pneus, botija de CO2 e adaptador ou bomba de enchimento.
Há quem pare a bicicleta simplesmente porque tem um pneu furado! E isso faz-me uma certa impressão, já que é algo bastante simples de solucionar. Mas lá está, quem nunca assistiu ou procedeu a esta operação não tem esta opinião.
Ainda um dia destes soube de alguém que teve a bicicleta encostada por várias semanas porque tinha o pneu da frente furado!
Para além do passeio estragado e da longa abstinência forçada, soma-se ainda o transtorno de transportar a bicicleta no automóvel e a espera entre levar e trazer da oficina… tudo por causa de uma simples câmara-de-ar!
Quando já me estava a disponibilizar para oferta e troca da câmara...
Ops! Só tenho câmaras para rodas 26, não 27,5…

Olá petchenas e rapazins, tude bem?
Fiquê a pé cum pnê fúrade!
Passou um rapazim de bcecléte e perguntê a ele:
- Ouh brassad, tens aí uma cambrandal?
O atlêmad nim olhou pra mim e dê-lhe sempre prá lá!
Naiam!
Bêjes e abraces.
Zabela & Besuga: É uma espécie de rubrica do blogue, onde o Zabela (personagem fictícia que caricatura um homem simples da ilha de São Miguel, que se desloca para todo o lado com a sua bicicleta) escreve tal como fala, com um carregado sotaque micaelense, e a Besuga é exatamente a sua fiel e amada bicicleta, companheira crónica de inúmeras aventuras.

Sombra

A sombra revela a mesma dupla de sempre. A paragem. O descanso. A contemplação. O registo.
A sombra revela, sem cor, mais um momento de ligação. Dela com ela. Uma mulher e a sua bicicleta.
A sombra revela as rodas que lhe fazem rolar e as pernas que lhe propulsionam num movimento constante.
A sombra revela aquela peculiar cumplicidade que só quem anda de bicicleta consegue compreender…

CAM02755.jpg

As estradas são sempre as mesmas. As canadas não!

As estradas são sempre as mesmas. As canadas, embora também sejam as mesmas já que normalmente circulo naquelas que me são mais familiares por razões de comodidade e segurança, dependendo da época do ano podem apresentar-se bastante diferentes. Outra mais valia do BTT.

As canadas podem estar secas, duras e poeirentas ou húmidas, encharcadas e enlameadas. Podem ter mais ou menos pedras soltas, mais ou menos regos e valas, mais ou menos galhos e folhagens. Como podem estar mais ou menos fechadas pela vegetação. E até podem estar diferentes entre si numa mesma estação, tendo em conta as suas caraterísticas e grau de resistência às intempéries, e o facto de terem sido ou não alvo de manutenção/intervenção.

Ah, e dependendo de estarem ladeadas por pastagens podem ter mais ou menos vacas!

FSRxc_vacas.jpg

Parque Urbano PDL

Em tempos foi anunciada a execução de um circuito permanente para BTT no Parque Urbano em Ponta Delgada. Achei uma excelente ideia, claro, por todas as razões e mais alguma…

FSRxc_PU1.jpg

 

Até hoje, nada!

FSRxc_PU3.jpg

 

Não há circuito, mas há quem, à margem disso, no topo deste parque, continue a arregaçar mangas criando novas linhas e obstáculos para percorrer e ultrapassar de bicicleta!

FSRxc_PU2.jpg


Domingo fui lá experimentar alguns destes trabalhos.

Companheira de BTT

A Specialized FSRxc Pro de 2009 é a companheira de duas rodas a pedais que tenho há mais tempo. Depois de ter regressado às bicicletas com uma BTT, mais ou menos de entrada de gama, dou o salto um ano depois. Com esta suspensão total entusiasmei-me, arrefeci, arrependi-me, voltei a entusiasmar-me…
Hoje, e com a concorrência da Estrada, olho para ela com um misto de sentimentos. Negativos, essencialmente por não a usar condignamente e em consequência ter despesas escusadas. Positivos, apesar das suas limitações e inerente desatualização perante as BTT atuais, por saber que muito dificilmente terei condições para ter uma bicicleta equivalente e por reconhecer a sua capacidade de me deixar com um sorriso na cara de cada vez que saio aos seus comandos. Já são alguns anos, muitos quilómetros e outras tantas aventuras... Juntos!

szd_fsrxc.jpg

Já passou por diferentes configurações e “calçado”, de acordo com as minhas manias e estado de espírito, mas a sua sólida e bem concebida base está sempre lá presente. É uma Trail com alguma vocação para os trilhos mais acessíveis, disponibilizando 120mm de curso nas suspensões. Não se destaca especialmente em nenhum departamento, mas permite dar a cara em vários sem grandes constrangimentos, já que é dona de uma grande polivalência.
Mais limitado sou eu, já que se mantem firme e (quase) sempre pronta para (todas) as curvas. Ainda um dia destes me perguntaram: «É nova?»
Em tempos, com duas rodas não necessariamente a pedais, fiz trocas que antes tivesse batido com a cabeça na parede! Aprendi. Portanto, teorias, circunstâncias, desejos e funcionalidades à parte, o certo é que não fui, não sou, nem sei se alguma vez serei capaz de me desfazer desta minha companheira!

Sapo do Ano 2018 – Nomeado!

Este blogue foi recentemente nomeado para "Sapo do Ano 2018", na categoria de Desporto. Não foi o mais nomeado, pois não está entre os 5 finalistas que a partir de hoje estão a votações, mas considerando a temática abordada, a irregularidade das publicações e a pouca audiência, só podia estar muito satisfeito. Pelo menos fez-me olhar para ele de outra forma e ganhar algum alento para regressar à escrita e às publicações, coisa que ultimamente me estava a custar bastante fazer.
Os meus agradecimentos a quem organiza os Sapos do Ano, pela iniciativa, pelo trabalho e pela visibilidade que dá aos blogues. E a quem me nomeou. Parabéns a todos blogues nomeados e finalistas.

Cumplicidade!

As coisas valem e significam aquilo que queremos. Uma bicicleta, para alguns, não passará de um amontoado de metal, plástico e borracha. Para outros, independentemente da sua imagem e do seu valor de custo, poderá ser algo muito relevante. São as experiências, os desafios e o prazer que proporciona. E aquela cumplicidade…

m_allez.jpg

Pedaladas? Em dia. Manutenção? Não!

As últimas semanas, depois de mais um domingo que em optei por me resguardar, têm servido para meter as pedaladas em dia. Sozinho, mas também em duo, o que não deixa de ser uma novidade na minha habitual rotina.
Infelizmente as coisas nem sempre correm de acordo com as nossas expetativas neste último formato, mesmo não sendo estas especialmente elevadas, mas há que aceitar isso…
Por outro lado, não deixa de ser positivo rolar mais do que é normal, o que se traduz num melhor aproveitamento do tempo de lazer e demais benefícios que daí advêm.
A companheira eleita tem sido a minha bicicleta de estrada mais moderna (Specialized Roubaix), que é das poucas que não tem reclamado atenção ao nível da manutenção ultimamente... – “É o que faz teres muitas bicicletas!” – diz o meu colega. E com razão!

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D