Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

As bicicletas são uma coisa séria que me fizeram regressar à idade da brincadeira e experimentar o verdadeiro sentido da palavra liberdade!

20.06.19

Seis!


Rui Pereira

Sem e com mudanças, muitas ou poucas.
Fáceis ou difíceis, mais dóceis ou agressivas.
De aço, alumínio e carbono, mais leves ou pesadas.
Valores divergentes, sensações atestadas.
Diferentes caraterísticas, todas elas bonitas.
Para apreciar estaticamente, prazer em movimento.
Seis, o número que somo, mas não aquele que quis.
Não queria nada, apenas pedalar…

20.06.19

O meu companheiro de exercício não anda de bicicleta!


Rui Pereira

Ir ao mar é um hábito. Todos os dias ou quase. Todo o ano. O local onde vamos ao mar é de todos, mas especialmente nosso. E somos quase família. A família do mar e dos banhos.
Antes, costumo treinar. Bom, treinar é pretensioso. Faço exercício. Somos dois, os crónicos nisso. Eu e o meu companheiro de exercício. Ele menos assíduo nas idas, mas mais presente na prática. Eu mais facilmente cedo a uns raios de sol. Posso dar-me a esse luxo, pois tenho alternativas, ele não.
Às vezes falamos. Dizemos asneiras, criticamos, refletimos realidades. Rimos. Outras vezes, estamos concentrados nos exercícios, cada um com os seus, calados. Não é muito fácil encontrar alguém que seja mais calado do que eu, ele é.
Ele é das motas e também já foi das bicicletas. Eu já fui das motas e agora sou das bicicletas, claro. Ambos estamos cientes da importância do exercício físico, embora sob perspetivas diferentes.
As nossas teorias e reflexões sobre estas e outras temáticas circundantes são… não sei… O que sei é que existe um grande entendimento, identificação e compreensão, e isso nem sempre acontece de uma forma tão abrangente.
Um dia, falava-lhe da relação (próxima) que tenho com algumas das minhas bicicletas e ele simplesmente completava a minha linha de pensamento nos vários tópicos expostos. Outro dia, falávamos de modos de vida saudáveis e aconteceu o mesmo, de parte a parte. É recorrente. Mas não deixamos de ser diferentes e com as nossas particularidades bem vincadas.
Exercito-me sozinho, mas sei que ele está ali. E o contrário também acontece.
Ele anda de mota. Eu ando de bicicleta. Umas vezes estamos próximos, outras nem por isso, mas é bom ter um companheiro de exercício assim.

19.06.19

Guiador e moldura!


Rui Pereira

Segunda foi dia de testar mais a fundo a nova geometria da fixed-gear. Desde logo, por ser um guiador sem elevação, obriga a uma posição mais radical, com o tronco deitado sobre a frente, compensando apenas com um maior controlo na condução, por ser substancialmente mais comprido. A pedalar de pé e em carga notei alguma instabilidade pontual, com a bicicleta a mostrar tendência para fazer derivas laterais, mas a subir sentado, mesmo com as mãos mais afastadas, a posição revelou-se bastante acertada. Com o novo guiador optei por instalar outros punhos e, apesar de gostar deles, acho-os sempre demasiado finos. Em jeito de conclusão, posso dizer que foi uma alteração muito positiva. Inclusive no capítulo da estética, e aqui junta-se também a opinião do meu assistente, os ganhos foram expressivos.

roll_feel_logo.jpg


A par desta alteração, aproveitei para explorar uma possibilidade que esta bicicleta oferece, mas que nunca lhe dei a devida atenção. A coluna de direção vem equipada com uma espécie de moldura que identifica a bicicleta e fomenta a personalização da mesma, permitindo adicionar uma imagem ao nosso gosto. Ou simplesmente deixá-la vazia, que foi o que fiz até agora. Assim, recortei uma fotografia antiga do meu assistente e “levei-o” a passear comigo, de capacete e tudo. Infelizmente chovei e não a tinha plastificado…

18.06.19

De trás para a frente!


Rui Pereira

Preso a preconceitos limitados, previsíveis, limitadores.
Agarrado a ideias castradoras e inibidoras da visão.
Base comodista e consumista, focado nas coisas triviais, atribuindo-lhes destaque.
Vida pequena e vazia. Efémera. Olhos nos pés e no chão.
Iludido, não vê a realidade. Cego pela sua verdade.
Um dia, compra uma bicicleta. Acorda. Alarga horizontes.
Muda de rumo, num claro regresso às origens. Ao simples, ao básico.
Reencontra a sua terra. A natureza. As tradições. Vê o mar.
Pedala. Anda a pé. E valoriza.
Liberta-se da ideia quadrada do exercício entre paredes.
De um complexo processo de busca e aquisição de artefactos e suplementos.
Compra outras bicicletas, naturalmente.
Compras amadurecidas, sem impulso nem acaso. Isentas de exacerbadas pressões de satisfação imediata.
Usa. Aproveita. Desfruta.
Desperta para a importância de um simples rascunhar à mão, com papel e caneta.
Ganha consciência. Pessoal e ecológica. Vê para além do que achava suposto. Cresce!

O paradoxo da sua evolução reside na consciência de que as coisas são efémeras e ilusórias, às quais não deve ser atribuído o papel principal. Mas foram as bicicletas, também elas coisas, que lhe despertaram para uma nova realidade, que lhe abriram portas para todo um novo mundo de possibilidades. Mais adequadas, prementes, simples, melhores.

Não falo de mim. Falo de um amigo de um amigo meu.

16.06.19

Em brasa!


Rui Pereira

O livro FIXED – Global fixed-gear bike culture veio baralhar-me as ideias.
Tive uma manhã inteira a fazer skids. Uma semana depois ainda tenho dores numa perna. Já tinha idade para ter juízo... Que se lixe!

roll_feel.jpg
Tive à procura de um guiador novo para a fixed-gear. Encontrei um que até agora ninguém quis... Melhor para mim. Ok, não é preto, mas foi barato e dá perfeitamente para o que quero. Gostei do resultado! A posição de condução é mais agressiva, por ser consideravelmente mais baixa, mas ao mesmo tempo, a sensação de controlo é superior devido ao seu maior comprimento. E dá aquele toque personalizado mais radical.
Gosto de imaginar que estou em brasa na minha relação com a gótica. Fantasiar é fácil. Mas…

Este texto é um pretexto para enfiar aqui um videoclipe de rap, com nome a condizer e tudo. É um gosto relativamente recente. Aprendi a gostar de hip-hop e de rap pelas batidas empregues, mas acima de tudo, pela competência da escrita dos MC, jogando com as palavras em forma de rimas carregadas de sentido. E depois pela capacidade de as debitar a grande velocidade conseguindo a musicalidade certa.
Para além da mania para andar em bicicletas estranhas tenho esta tendência para ouvir músicas de puto. O que é que hei de fazer? Não consigo viver sem estas merd@s...

14.06.19

Ser ilhéu…


Rui Pereira

É sentirmo-nos apertados pela constante presença do mar, mas não conseguir viver sem ele.
É ter o território partido em nove bocados no meio do nada, mas encará-los como se fossem um só.
É sentir a inclemência da mãe natureza, mas também ser brindado com o melhor que ela tem para dar.
É lamentar-se o isolamento, mas depois viver em pleno todo o misticismo destas ilhas de bruma.
É olhar o céu em busca de um sinal do tempo e avistar o milhafre que nos patrulha.
É viver a um ritmo muito próprio. Calmo, paciente… Às vezes, inquieto.
É ser fechado, desconfiado, desconcertante e até rude no trato, mas também ser o melhor dos amigos perante quem vier por bem.
É querer sair da ilha, mas depois ter pressa de voltar.
É ser pequeno, mas ter a alma do tamanho do oceano que nos rodeia.
É pegar na bicicleta e percorrer estradas como se fossem carreiros de um grande e lindo jardim, tendo sempre o mar como companheiro...