Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

As bicicletas são uma coisa séria que me fizeram regressar à idade da brincadeira e experimentar o verdadeiro sentido da palavra liberdade!

22.11.19

Kettlebell


Rui Pereira

Tive vários anos a treinar com o que havia disponível no local onde o fazia. Como forma de compensar as limitações sentidas, adicionei uns pesos, dois halteres e dois discos. A certa altura fui obrigado a descartá-los.
Agora, e descartada voluntariamente a opção ginásio, continuo a contar com o que o local de sempre me proporciona, mas complementei com um “novo companheiro de treino” – um kettlebell.

kettlebell.jpg

 

Claro que não tenho as possibilidades e a diversidade dos locais específicos, mas tenho outras coisas que não têm preço – o mar e a amizade!
Questionam-me, com admiração, se ando com o kettlebell para cá e para lá. A resposta é sempre a mesma…
Vai e vem na caixa da bicicleta. Só tenho de ter algum cuidado, porque o peso vai muito concentrado e numa posição elevada, influenciando a condução e mesmo o manuseamento da bicicleta parada. De resto, e no pior dos cenários, é mais exercício que faço.  

22.11.19

Ciclo


Rui Pereira

Às vezes, falta-me a determinação. Falta-me o foco naquilo que realmente quero.
Cedo, uma e outra vez, em troca da compensação imediata. Desleixo, em nome do "não quero saber".
Arrependo-me depois.
Monto na bicicleta!
As ideias surgem. Traço metas, defino objetivos. Quero resultados.
Em cima da bicicleta tudo parece simples, perante as dificuldades. Contraditoriamente.
As dificuldades físicas libertam-me a mente. O prazer de pedalar solta-me o pensamento. Dão-me disponibilidade para definir e querer agir.
Tudo fica claro. Fico mais forte.
Desmonto da bicicleta!
Alguma determinação fica e atuo em conformidade. Outra, perde-se...
E o ciclo repete-se.

21.11.19

Reflexo


Rui Pereira

roll1_saturada.jpg


Há coisas que têm de ser provocadas.
Sem saber o que escrever, abro uma imagem da minha bicicleta de carreto fixo.
Uma imagem que não é nova, pelo contrário, já acumula alguns meses, tantos que a bicicleta já nem tem esta configuração.
É indiferente. Aos olhos menos entendidos passará perfeitamente despercebido. E que não passasse.
Escolho a imagem de forma aleatória. Sem saber bem o que fazer dela.
À procura de um estímulo.
Aplico-lhe filtros e ajustes. Cumulativamente.
Gosto do resultado.
Mas é uma imagem saturada de filtros e ajustes.
É um reflexo.

21.11.19

"Finalistas 2019 - Bike Azores"

Sapos do Ano


Rui Pereira

Como finalista na categoria Desporto, dos Sapos de Ano 2019, disse umas coisas no Sapos do Ano.

sapo_ano_finalista19.jpg

"A bicicleta é o meio de locomoção mais eficiente de sempre; é um excelente veículo para fomentar a prática da atividade física em lazer, e o desporto; é amiga do ambiente. Vê-la apenas por uma destas suas facetas é, na minha opinião, redutor. Para mim é utilidade, função, paixão, comodidade, ambiente, saúde e terapia. É um estilo de vida! O meu blogue acaba por ser uma extensão disso mesmo. Algo que considero tão positivo que tenho de registar e partilhar, melhor ainda quando o faço através da escrita, da fotografia e da música, outras paixões pessoais. Nem todos têm de andar de bicicleta, é certo, mas também não há necessidade de rejeitar logo à partida uma realidade só porque é desconhecida. O meu objetivo nunca foi, nem nunca será, influenciar alguém, mas sim dar a conhecer uma postura e todo um modo de vida, associados a uma realidade que, para mim, é tão significativa!"

07.11.19

Bicicletas analógicas


Rui Pereira

Temos uma tendência natural para complicar. Somos seres cheios de necessidades. Precisamos de muitos artefactos para fazer coisas. Adoramos coisas. Coisinhas tecnológicas. Brinquedos inteligentes que têm montes de funções automáticas e que, julgamos nós, não conseguimos viver sem eles.
Nas bicicletas é a mesma coisa. Quanto mais inovadoras, complexas e tecnológicas, melhor. Há quem já não consiga viver sem elas…
Eu não!
A tecnologia é fria e impessoal, de interação duvidosa. É complexa. É ilusória.
Continuo a preferir as mecânicas, mais tradicionais, analógicas e manufaturadas. Privilegio as mais simples e minimalistas. As mais acessíveis e brandas na relação. As mais robustas e menos sensíveis...
A função e o funcionamento estão lá, a estética também, chega!
É pegar, usar e desfrutar, sem pensar muito, sem complicar…

porto_formoso.jpg

06.11.19

Afastado…


Rui Pereira

roll_praia.jpg


São dois elementos que fazem parte das minhas rotinas diárias – o mar e a bicicleta. Tenho andado afastado de ambos, pelo menos de uma forma prática e efetiva. Do exercício físico também. Ando adoentado e, sob pena de agravar ainda mais os sintomas, decidi resguardar-me. Não lido bem com isso, mas há que ter calma e paciência, e aproveitar para fazer outras coisas que normalmente não tenho oportunidade de fazer, mesmo sabendo perfeitamente o que queria estar mesmo fazendo…

06.11.19

3 Horas BTT – Specialized FSRxc Pro


Rui Pereira

A última vez que fiz uma resistência em BTT, a minha FSRxc estava impossibilitada de andar com um problema no amortecedor. Na empresa onde estava a ser assistida, a mesma que patrocinava o evento, disponibilizaram-me uma bicicleta semelhante para poder participar.
Embora da mesma marca [Specialized] e segmento [Trail], tratava-se de uma Camber Comp 29, um modelo moderno, com algumas inovações, apresentando como grande diferença a superior dimensão das rodas. Mesmo assim a adaptação foi imediata.
Desta vez tinha a minha bicicleta apta. Deixei-a ainda mais apta no dia que antecedeu a prova. Aquela limpeza da praxe e a lubrificação da transmissão e de outros pontos de acionamento e fricção.

fsr_xc_pinhalpaz.jpg


Adivinhando um terreno húmido com a chuva que se fez sentir, troquei os pneus, o traseiro por um igual, mas com melhor piso, o dianteiro por um de desenho mais agressivo. O local em causa não é de fazer muita lama nem nada disso, mas em algumas zonas o piso é solto, noutras, escorregadio. Não sei se fez muita diferença, mas psicologicamente saber que tinha um pneu com mais agarre na frente deixou-me com certeza mais descansado. Até porque já lá vai o tempo em que me sentia muito confiante sobre uma BTT.
A minha companheira, apesar das suas naturais limitações, esteve sempre impecável. Nem uma queixa, nem um barulhinho, nada. Claro que gosto de ter outras experiências, de poder testar uma bicicleta diferente, apesar de ter algumas reservas quando se tratam de coisas que não são minhas, mas para me sentir bem e totalmente à vontade, dentro das minhas naturais limitações, é aos comandos da minha "velhinha" Specialized FSRxc Pro!