Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

A visão de um ciclista açoriano sobre as bicicletas e o ciclismo.

18.12.19

Destaques

Em destaque!


Rui Pereira

Confesso que é muito agradável verificar as reações e ler “destaques fez um link para o seu blog em…”
Felizmente, tem acontecido algumas vezes. Hoje voltou a acontecer.
É importante. É um reconhecimento. É aquela sensação boa de saber que há mais alguém que lê o que é escrito e achou por bem atribuir destaque
Hoje, achei estar mais uma vez em falta!
Recebo os destaques com contentamento, mas julgo só ter dado nota disso uma vez...
Aqui fica o meu sincero agradecimento!

17.12.19

O outro lado…


Rui Pereira

Ao ler o texto da Vânia, pensei em mim e em como podemos iludir os outros com aquilo que publicamos. Como comentei a propósito, há mais vida para além daquilo que é partilhado, mas também acho que a atenção deve centrar-se mais nas coisas positivas do que nas negativas. Não às vidas perfeitas, sim à ponderação e ao equilíbrio. Tenho o cuidado de também ir publicando textos que não refletem satisfação, até porque existem situações que são tudo menos isso.

Acima de tudo, não gosto de me iludir. Nem a mim, nem aos outros.

Nem sempre apetece andar de bicicleta ou dar a atenção (limpeza e manutenção) que precisam; às vezes custa muito levantar cedo para fazê-lo; custa suportar o frio quando vou ao mar ou fico a secar as calças nas pernas por ter ido de bicicleta debaixo de chuva; custa pedalar contra o vento forte, assombrado pelo pensamento “de carro isso não acontecia”; nem sempre apetece fazer exercício; às vezes não sei o que escrever e penso em deixar o blogue; tantas vezes que só apetece comer porcarias, em quantidade; só apetece ficar em casa no sofá em frente à televisão; não apetece fazer nada...

Tantas vezes apetece ou não apetece e tantas vezes faço!

Claro que quero mostrar (ser) o melhor de mim, os meus melhores hábitos, práticas e atitudes. Quero partilhar as minhas melhores fotografias. É também assim que ganho motivação para continuar, é assim que dou um pouco de mim e agradeço a quem faz questão de me seguir e tem o cuidado de o demonstrar.

Às vezes, vejo-me a lutar pela perfeição quando sei que ela não existe.

16.12.19

"Projeto" concluído!

Gloria Magenta


Rui Pereira

A Gloria Magenta está pronta. Não foi uma grande preparação/personalização, mas estou muito satisfeito com o resultado.
Tal como pretendido, os únicos componentes que tive de comprar foram duas câmaras-de-ar, e foi porque inutilizei uma na montagem, de resto, aproveitei tudo o que tinha em casa.

gloria_magenta3.jpg


Lista de componentes: Punhos; terminais de punhos; campainha “I love my bike”; manete de travão; espiral de cabo; parafusos; pedais plataforma com gaiolas; selim.
A primeira coisa que fiz, depois de uma limpeza geral, foi corrigir a colagem do logotipo da marca na coluna de direção e dar alguns retoques na pintura. Ficaram por dar uns nas rodas, que farei assim que arranjar a cor em causa.

gloria_magenta2.jpg


Abdiquei do sistema de travão traseiro, uma vez que ficou definida na configuração carreto fixo. Encurtei o guiador original em seis centímetros.
O quadro da Gloria é grande (e pesado) – 57 e ainda não tive a oportunidade de a experimentar sem ser estaticamente, mas não me parece que isso venha a ser um problema, até porque terá um uso mais específico.

gloria_magenta1.jpg


Estava com disponibilidade para encarar calmamente este processo de preparação da Gloria Magenta, mas nem uma semana passou e ficou despachada. Foi uma questão de aproveitar o fim de semana de mau tempo. Não andei de bicicleta, mas tive agarrado a elas!

13.12.19

Rodas e pneus!

Gloria Magenta


Rui Pereira

As rodas Gipiemme da Gloria são os seus componentes mais apelativos. O perfil elevado e a cor viva são o seu cartão de visita.
Ontem, antes da limpeza, resolvi tirar os pneus das rodas, até porque as válvulas das câmaras-de-ar estavam a parecer-me demasiado curtas. Mesmo assim, arrisquei montar tudo novamente.
Os Deestone são os pneus mais duros e difíceis com que já tive de lidar!
Resultado: Cavadela com o desmonta numa das câmaras-de-ar quando já só faltava meter aquele último pedaço de pneu…
Arrumar tudo. E rodas por montar... Ainda não foi desta!
Já que vou ter de comprar uma nova câmara-de-ar, vou montar de vez as duas, com válvulas de maior dimensão, para facilitar o seu enchimento.
Lá vamos nós para o segundo assalto, eu e os pneus Deestone!

gloria_deestone.jpg

12.12.19

Nome: Gloria Magenta


Rui Pereira

gloria_logo.jpg

Specialized, Órbita, Globe e Gloria são as marcas das minhas bicicletas. Não são nomes. Aliás, nenhuma tem nome, porque não gosto de dar nomes às bicicletas. A marca – Gloria, da minha mais recente aquisição, pode sugerir que fui eu que a batizei. Não o faria, até porque nem acho este nome especialmente bonito, embora sugira, lá está, grande feito ou virtude. Confesso que mal a conheço, ainda nem sequer andei nela, mas não me parece que tenha grandes virtudes. Chega-me que seja tão honesta como é modesta. Um dia dei um nome a uma mota que tinha. Uma espécie de diminutivo fofinho da marca – Suzuki. Hoje lembro-me disso e acho ridículo, daí nunca mais ter dado nomes ao que quer que seja que tenha rodas. E mesmo que não tenha. Têm marca, têm modelo, e chega. Gloria Magenta… Já de si é meio esquisito, não é?

11.12.19

Sete!


Rui Pereira

Não, não estava a precisar de mais bicicletas.
Não sou muito dado a impulsos consumistas e normalmente pondero muito bem as minhas compras, mas quando se trata de bicicletas equilibro um pouco mais a razão com o coração.
O facto é que sou muito ponderado e cinjo-me realmente ao que necessito. Trocando por miúdos e de um modo geral, não sou um grande cliente!
A compra de mais uma bicicleta (a sétima!), para muitos um exagero sem sentido, teve mais a ver com desejo e oportunidade do que com necessidade, como é óbvio. E para mim, faz sentido. No sentido em que, de vez em quando, também tenho direito a um gosto, a uma extravagância. Não foi um impulso. Ainda tive uma hesitação à última da hora, mas apoiado, decidi avançar. Julgo que haverão vícios piores…
Tratar-se de uma “fixie” também não foi mera coincidência. Pelo contrário, foi a realidade decisiva. Tal como os valores envolvidos. Até porque se trata de um dos segmentos que atualmente mais me cativam, independentemente da nobreza da sua construção e respetivos componentes. Com ela, e basicamente com o que tenho, julgo que conseguirei algo simples, agradável e, acima de tudo, à minha imagem e gosto.
Como já disse anteriormente, quero aproveitar com calma todo o processo para lá chegar, uma vez que me dá muito gozo fazê-lo, em vez de me concentrar na sua conclusão e no resultado final.
Sim, são sete. Tenho sete bicicletas!
E não gosto de números ímpares…

11.12.19

"Projeto"!

Gloria Magenta


Rui Pereira

gloria_quadro.jpg

Ao contrário do que é normal, já que fico logo em pulgas para ter a coisa concluída, não estou com pressa para terminar este “projeto”.
Para já, a Gloria está desmontada. E vai levar uma limpeza. Os seus componentes também. Depois, de entre estes e os que tenho arrumados de outras bicicletas, vou escolher aqueles que serão montados e os que terei eventualmente de comprar.
Mais do que querer uma bicicleta para começar logo a andar, queria uma base para fazer uma montagem minimamente personalizada. Não existem quaisquer condicionalismos práticos. Não terá de ser confortável ou fácil de utilizar. Será apenas aquilo que tiver de ser, até porque não me vem preencher nenhuma lacuna ou necessidade. A única premissa existente passa por aproveitar o máximo existente e comprar/gastar o menos possível.
É muito provável que seja essencialmente uma "carreto fixo" e não uma "roda livre", mas ainda não está decidido (o facto é que ambos os componentes estão montados no cubo, basta rodar a roda). Tal como ainda vou ver se lhe monto pedais de encaixe ou com “gaiola”, guiador reto ou com elevação, largo ou estreito, punhos ou fitas, travão único ou travões e respetivas manetes, etc.
Uma coisa é certa, vai perder aquele aspeto utilitário. Aquele farol, aqueles punhos castanhos enormes e aquele selim de “pasteleira” com molas e tudo…