Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

A visão de um ciclista açoriano sobre as bicicletas e o ciclismo.

20.07.17

Esta bicicleta não tem preço!


Rui Pereira

- Queres boleia?
- Não, obrigado. Vou de bicicleta!


Seja para fazer alguma volta ou simplesmente para ir ao treino e ao banho, o momento conta a partir do fechar da porta e do montar a bicicleta.
De bicicleta a deslocação não é uma mera necessidade, um mal necessário, mas sim um momento de liberdade e descontração. Um momento para espairecer a cabeça exercitando o corpo. Um momento leve, saudável, limpo e económico.
Às vezes perguntam-me quanto custou a bicicleta que uso em ambiente urbano. Não tenho problemas em falar de números, mas o que me apetecia responder era o seguinte:
- Esta bicicleta não tem preço!
E não tem preço porque não me é possível quantificar a conveniência, a satisfação e a qualidade de vida que me proporciona. E o quanto me divirto aos seus comandos!
Habituados que estamos a atribuir importância ao complexo e ao relevante, pode parecer um paradoxo fazê-lo a algo tão simples e modesto, mas não, não poderia fazer mais sentido. Pelo menos, para mim, faz todo o sentido!
Tenho outras, mais caras e sofisticadas, e também têm o seu propósito, nem que seja alimentar os meus caprichos. Mas a minha bicicleta urbana cumpre diariamente uma função que tem tanto de básica como de digna. Desloca-me e leva carga da forma mais simples, acessível e rápida, e simultaneamente proporciona-me uma sensação de bem-estar sem igual.

 

orbita_classic.jpg

28.03.17

Compras, vendas, bicicletas e picos de felicidade!


Rui Pereira

Um dia destes um amigo contava-me que tinha um objeto que lhe trazia um custo fixo anual consideravelmente elevado. Não o usa, nem gosta especialmente dele, mas lá o tem e é um peso! Questionado sobre o porquê da sua compra não soube explicar. Mas referiu que no momento de tratar legalmente esta mesma aquisição o vendedor disse-lhe uma frase que ainda hoje lembra, não exatamente como foi proferida, mas sim o seu sentido, já lá vão alguns anos. Basicamente, o que a pessoa em causa quis dizer é que na nossa relação com certos bens materiais só existem dois momentos em que estamos realmente felizes com eles, exatamente a sua compra e a sua venda! Porque de resto é só ilusão, acrescentaria eu.
E o que é que isso tem haver com bicicletas?
Para uns tenho bicicletas a mais, para outros, por mais bicicletas que se tenha estas nunca são demais. Mas o que os outros pensam não me interessa muito, a não ser que possa eventualmente pensar como uns e outros acerca da minha própria realidade. Às vezes penso que se tivesse aquela bicicleta é que sim senhor! Ia fazer mundos e fundos, ia fazer milagres, não ia parar de andar…
Será? Talvez. Ou talvez não.
Claro que o material ajuda, não é novidade, mas também não faz os tais milagres! Mas as ilusões continuam por aí a fora e este passa a ser um meio de gerar desculpas.
A nossa atitude e a necessidade real, estas sim fazem muita diferença!
Ter uma bicicleta minimamente à altura das necessidades e a atitude certa é meio caminho andado para a relação dar certo, que é como quem diz, para ter momentos duradouros de felizes e prazerosas pedaladas, não tendo de ser necessariamente aquele topo de gama, de última geração, com todas as melhores especificações, que nos deixa a sonhar e a desejar ter. Mais reflexão, menos impulso!
Sim, porque até se pode ter a bicicleta mais completa e competitiva à disposição e não aproveitar nem metade das suas potencialidades; A bicicleta de alta precisão e sofisticação pode trazer mais constrangimentos, limitações e custos do que benefícios; A bicicleta poder ser uma máquina magnífica, supereficiente, extremamente bonita e altamente invejável, mas estar simplesmente sobredimensionada para o que se vai fazer com ela.
E não é difícil gastar o máximo que se pode, ou mais ainda, por pressões sociais e do meio, e depois olharmos para o que fizemos consumidos pelo arrependimento. Claro que também acontece pecar-se por falta, mas a tendência pende naturalmente para o excesso!
Pode este discurso ser uma forma de apaziguar alguns desejos e respetivos resquícios de insatisfação pessoal?
Sim, pode. Se calhar até é, mas o certo é que as minhas bicicletas foram racionalmente escolhidas, com o devido toque de paixão, e continuo a gostar delas, tanto ou mais, como no dia em que as comprei. Estou feliz e satisfeito com elas, que tanto me têm proporcionado. E isso ultrapassa as suas diferenças, caraterísticas, defeitos, gamas e preços!
Se fico por aqui? Talvez. Ou talvez não.
O certo, é que acredito que não faz sentido e é ingrato focar atenções em algo que não passa de uma possibilidade, até porque nem todos os desejos são bons conselheiros, ao invés de aproveitar e usufruir o que se tem. E o que não se tem, se é que me faço entender!
Confesso que um pico de felicidade momentânea associado a uma nova compra até sabe bem, mas de pouco serve se esta satisfação não for sustentável e se prolongue no tempo, até porque já não tem o mesmo sabor ter de associar outro pico de felicidade e respetiva sensação de alívio a uma possível venda!

27.12.16

Das motas às bicicletas - Fóruns, blogues e facebook


Rui Pereira

Comecei a escrever com mais frequência em fóruns online dedicados às motas, sendo a minha presença mais representativa no Fórum do Clube Motard de São Miguel. Foram muitos momentos de reflexão, argumentação e discussão, alguma acesa demais! Entretanto, com um grupo de amigos motociclistas fundamos o blogue Moto Açores, que mais tarde “internacionaliza-se” e passa a chamar-se Moto Azores. A blogosfera agradou-me sobremaneira e achei que era possível ter em simultâneo um blogue só meu. Foram vários até hoje, sempre com uma forte componente motociclista e musical, entre eles: Motas e Metal; As Minhas Motos; Motarte – Arte Sobre Rodas. Neste último, fiz a transição das motas para as bicicletas, para além de apresentar variadas situações que refletiam a minha vida na altura. As bicicletas passaram a concentrar muita da minha atenção ao contrário das motas. Foi o blogue com mais publicações e tráfego que já tive. Com a entrada no facebook e a quebra dos blogues em geral acabei por fechá-lo. Arrependi-me muitas vezes…
Depois de algum tempo sem uma plataforma fixa onde escrever criei um grupo no facebook dedicado às bicicletas – Eu Ando de Bicicleta em São Miguel, que marcou exatamente o dia em que tive a minha primeira experiência da bicicleta como meio de transporte, estávamos no primeiro trimestre de 2012. Pelo meio ainda tentei dinamizar o blogue "comunitário" Biklas com algumas publicações, entre outras avulsas aqui e acolá. Tudo isso deu-me um novo alento para escrever com regularidade, até que farto da utilização e do tempo que perdia no facebook, entrego a administração do grupo a um colega e abandono esta rede social. O problema é que tudo o que acontecia, acontecia no facebook... Voltei uns meses depois, aderi ao grupo e de pronto foi-me entregue a sua administração, que agora partilhava com outros colegas. A minha utilização desta rede social é muito pouco social, digamos assim. Dedico-me essencialmente ao grupo e acompanho as páginas relativas aos meus interesses. Pouco mais.
Bom, já com saudades da blogosfera, que passava agora por uma nova fase, e uma vez que prefiro de longe os blogues ao facebook, criei um blogue com o mesmo nome do grupo. Durou pouco. Mudei de plataforma, do Blogger para o Sapo. Criei outros, sendo que alguns nem chegaram a ver a luz do dia. Por fim, assentei num projeto com o nome Carreto Fixo. Era um blogue que espelhava as minhas várias experiências na escrita, e claro, a minha visão sobre as bicicletas. No entanto, tornou-se demasiado abrangente e com conteúdos muito divergentes. Assim surge este blogue – Bike Azores, exatamente para se dedicar essencialmente às bicicletas, já que estas continuam a representar uma das componentes mais fortes da minha vida. Desta feita, tudo o que tenho em arquivo relativo a estas será para aqui importado, inclusive diversos textos de outros tempos, dedicados às motas, recuperados de outros blogues e não só. Lá estou a alargar novamente o âmbito do blogue, mas pronto, são coisas mais antigas e acho que conseguem conviver, quando mais não seja para mostrar a transição que aconteceu, das motas para as bicicletas.
Resumindo, este blogue é uma forma de compilar praticamente tudo o que escrevi sobre a temática em causa e o que ainda tenho para escrever, assumindo assim a minha posição e partilhando-a com quem possa estar eventualmente interessado.