Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Bike Azores

A visão de um ciclista açoriano sobre as bicicletas e o ciclismo.

Bike Azores

A visão de um ciclista açoriano sobre as bicicletas e o ciclismo.

A corrida de bicicleta!

No meu tempo de criança não existiam tantas preocupações como hoje. Andava-se de bicicleta sem proteções de segurança e não se vestiam roupas próprias, até porque não se viam. A rapaziada andava e brincava mais à vontade na rua, e divertia-se muito. Não haviam tantos perigos como agora e os pais eram mais descontraídos.
Como qualquer miúdo gostava muito de andar de bicicleta. Costumava andar sempre com o meu irmão, mas também com os nossos amigos do bairro. O bairro era um belo sítio para jogar à bola e andar de bicicleta, já que tinha relvados rodeados por passeios que pareciam ruas, onde fazíamos corridas de bicicleta e outras brincadeiras. Também se jogava ao pião, ao berlinde e apanhava-se borboletas, ou pelo menos tentava-se.
Certa vez, eu e o meu irmão fizemos uma corrida. Rapazes e a tendência para as corridas…
Subimos até ao topo do bairro para depois descermos a toda a velocidade. Os dois queriam chegar primeiro e faziam tudo para consegui-lo. Sendo mais velho, ainda antes do meio da descida comecei a ultrapassá-lo e ele mais não fez do que tentar impedir a minha manobra. Com isso, ficamos a pouca distância lateral um do outro e quando já tomava a dianteira, a manete do travão da bicicleta do meu irmão prende no aro cromado que suportava o selim da minha bicicleta (eram duas Sirla laranja de selim corrido e guiador alto), o que fez com que perdesse o equilíbrio, dando uma aparatosa queda!
Ele desatou a chorar e eu parei e aproximei-me dele sem saber o que fazer. Com o barulho da queda e do choro, o nosso pai veio a correr para ver o que tinha acontecido.
- Como é que isto aconteceu? Eu não vos disse para terem cuidado? – perguntou visivelmente preocupado e irritado!
O meu irmão continuou a chorar e eu apenas encolhi os ombros…
Depois de ver que tinha sido mais o susto da queda e que o meu irmão não se tinha magoado, o nosso pai disse:
- Vá, acabaram-se as corridas, vamos para casa. E ficam já a saber que estão os dois de castigo. Só voltam a andar de bicicleta quando eu disser!
As corridas nem sempre correm bem. Nesta, ninguém chegou em primeiro, um acabou no chão a chorar e o outro amuado. O nosso pai zangou-se com os dois e, depois em casa, a nossa mãe também. Uma das bicicletas ficou maltratada. Mas, pior mesmo foi termos ficado de castigo sem saber quando é que voltaríamos a andar de bicicleta.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D