Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

A experimentar o verdadeiro sentido da palavra liberdade!

30.05.22

Escrita condicionada


Rui Pereira

Tenho várias imagens na galeria do telemóvel a aguardar legenda. São elas o ponto de partida para mais um texto. Ou uma música.
Ontem saí de bicicleta. Já não acontecia há algum tempo. Peguei na mais fácil e fui com a ideia de uma volta mais breve e tranquila.
A volta aconteceu segundo os parâmetros pré-estabelecidos, mas não houve nenhum registo fotográfico. Não encontrei motivo. Aliás, o vento fresco de norte e os mesmos cenários de sempre desencorajavam qualquer paragem para o efeito.
As voltas de bicicleta que levam a um ou mais registos, que por sua vez motivam uma publicação, nem sempre acontecem. Às vezes, estas últimas, são a junção de vários fatores avulsos com a minha vontade de ser mais assíduo.
Sei que levei uma música na cabeça, mas não me lembro qual… Mas já que estou numa de coisas desencontradas posso usar qualquer outra como banda sonora. Ou, se calhar, nenhuma. Deixar que as palavras falem por si, mesmo que não tenham assim tanto para dizer.
De vez em quando leio alguns dos meus textos mais antigos e acho que perdi alguma da capacidade que tinha para escrever. Preciso de tantos pretextos e que, mesmo assim, não são suficientes.
Agora é que é, mas nunca chega a ser.

O vento fresco na cara, a velocidade, as irregularidades do piso que impactam no meu corpo através da bicicleta, a condução, a resposta física ao esforço…
A volta de bicicleta foi produtiva. É sempre, mesmo que não fique registado nenhum momento específico. Aliás, os registos são e devem ser acasos, e não condicionamentos da pedalada.

 

27.05.22

[Kiss] “While Your Lips Are Still Red”

Nightwish


Rui Pereira

Estou sem posição. Incomodado. Mazelas, maleitas…
São da idade. E das asneiras.
A idade não perdoa - dizem.

Uma bicicleta vermelha... Vermelho-vivo!
A idade também passa por ela e também tem mazelas.
Mas são diferentes. Recuperáveis.

As minhas são como os beijos que ficaram por dar...



10.05.22

Trilho sombrio


Rui Pereira

gloria_coroadamata.jpg

 

Sigo de cabeça baixa sem destino. Sinto o peso da inclinação nas pernas. Pesado é também o pensamento. Nem sempre a pedalada desanuvia logo o nublado que existe aqui em cima e, ao invés, torna-o ainda mais carregado. Por vezes é preciso ir até ao fundo para começar a subir.
Para começar de novo.
As pedaladas são catárticas. Onde se desbravam os piores cenários. Através das quais saímos da sombra, nos livramos da bruma.
Da escuridão para o esclarecimento.
Levanto a cabeça e é como se a neblina tivesse ficado para trás. Olho o céu e as árvores. A atenção divide-se agora entre o desafio a que submeto o corpo e a natureza que me rodeia.
Tanto verde. Ergo o corpo e carrego os pedais com mais afinco. Doem-me as pernas…
Olho novamente o céu. Suspiro.

 

09.05.22

Marcas...


Rui Pereira

As bicicletas perfeitas só existem no Instagram. As bicicletas reais não são perfeitas!

Bruno Sousa, @mitriates

allez_miradouro_vista_mosteiros.jpg

É com algum desconforto que verifico as marcas deixadas por uma queda. Mesmo sabendo que é muito difícil manter uma bicicleta imaculada a partir do momento em que circulamos com ela, custa-me sempre aceitar este facto.
A bicicleta que tinha recebido atenção ao nível técnico e estético, e que tinha ficado impecável, esteve comigo de rojo pelo asfalto!
Há quem diga que as marcas contam histórias. Que são sinal de uso. Que lhe dão caráter...
Muito sinceramente, preferia que estivesse impecável.

 

09.05.22

BIKES vs CARS

Documentário


Rui Pereira

Ontem não andei de bicicleta. Hoje, vim de carro.
O dia acordou incrível. Céu limpo, pouco vento, fresco, ideal para andar de bicicleta.
Ontem não estava bom para andar de bicicleta. Depois até ficou, mas deixei-me ficar em casa.
Hoje arrependo-me. Porque não saí, porque exagerei nas porcarias que comi. Em casa exagero sempre.
Mas vi um bom documentário – BIKES vs CARS. Ganhei ainda mais noção da gravidade do problema. Da triste realidade. Do braço de ferro. Do peso da indústria automóvel. Dos números. Da coragem e persistência de quem faz da bicicleta o seu meio de transporte. O seu modo de vida…
Gostava tanto de ter vindo hoje de bicicleta para o trabalho!

 

21.03.22

À janela


Rui Pereira

Aguardo o fecho do portão da garagem.
Encaixo os sapatos nos pedais e inicio a marcha tranquilamente.
A inclinação da rua faz-me aumentar a cadência.
Fujo à rota habitual.
Passo em frente à igreja e viro à esquerda em direção ao mar.
Tento conter a velocidade.
O mar ao fundo, a brisa pelas costas.
As cores abundam naquela via estreita.
Bloqueio a roda traseira.
O céu nublado, a humidade, as casas coloridas, a rua praticamente deserta, eu erguido sobre a bicicleta, ela atravessada…
Dava uma bela fotografia! – Pensei.

Sentado na cadeira de escritório.
Descanso as pernas sobre o tubo superior do seu quadro.
Penso.
Viro-me para a janela…

foffa_janela.jpg

 

24.02.22

As minhas bicicletas de carreto fixo

Fixed-Gear


Rui Pereira

A minha realidade e os meus conteúdos não são os mais populares. Por um lado, fogem da principal corrente, por outro, não atingem as expetativas de quem segue contra o convencionado.
Digamos que as bicicletas de carreto fixo são um nicho com algumas vertentes, sendo que as mais populares se centram num certo estatuto ao nível das marcas, componentes e até da atitude. Eu não atinjo nenhum deles!
Comecei tarde. Vai fazer 8 anos que comprei a minha primeira “fixie”. É normal que tivesse (tenha) receios e limitações, e não tenha a destreza necessária para feitos e manobras mais radicais e vistosas aos seus comandos. Também fui (sou) cauteloso no investimento e, portanto, as minhas bicicletas de carreto fixo não brilham exatamente pela exclusividade e alta qualidade. Não são feias, mas também não serão as mais desejadas e atraentes. Até porque, de uma forma ou de outra, fazem concessões a vários níveis, o que automaticamente as atira para longe do cobiçado título de “puro sangue”.
Julho 2014 – Globe Roll 01 (à esquerda); dezembro 2019 – Gloria Magenta (à direita); setembro 2021 – Foffa Fixed (ao centro). Todas elas simples, vendidas completas, de quadros em liga de aço e de aço, de componentes medíocres e preços contidos.

carreto_fixo.jpg


Mesmo assim, são uma vitória e motivo de orgulho para mim.
Quando ponderava comprar a minha primeira fixed-gear, cheguei a pensar que se calhar não fazia sentido ter uma. Hoje tenho três.
Quando sentia dificuldade em andar com ela fixa passei a roda livre. Hoje ando de carreto fixo com a mesma naturalidade com que ando com as minhas bicicletas convencionais.
Quando achava que só faria voltas mais específicas e nunca ao nível de exigência com que fazia com as “outras”. Hoje já muito pouco falta fazer e, inclusive, estou a pensar em algo que nunca fiz sequer com estas últimas.
As bicicletas de carreto fixo para mim representam empenho, concretização, superação e gosto. Muito gosto, essencial para levar esta minha vontade avante. Inspirado, mas sozinho e à minha maneira, fui criando uma ligação tão significativa que, é nelas que mais penso, é com elas que mais quero sair, é com elas que me identifico.