Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

A experimentar o verdadeiro sentido da palavra liberdade!

01.10.21

Dez

Berg Beach Cruiser


Rui Pereira

19 de set, 19:47
- Queres trocar o teu capacete Bell pela minha bike custom?

Estava dado o mote para engrossar a minha lista de bicicletas!
Ainda não tinha uma beach cruiser, mas mesmo que já tivesse não seria problema, até porque não sou esquisito.
O capacete era espetacular, mas para que o queria se nunca o usava?
Já a bicicleta, mesmo sabendo que não terá uma grande utilização, é outra coisa. Que seja deformação pessoal, mas objeto por objeto, mil vezes a bicicleta!


Às vezes farto-me. Passam-me pela cabeça coisas más que me levam a pensar que devia era vender a maior parte delas e ficar apenas com aquelas que mais gosto. E depois vejo que isso não faz sentido.
E ter 10 bicicletas faz sentido?
Hummm… Se calhar, não. Também não tem de fazer…
Existem coisas que a razão não consegue explicar!
Esta bicicleta, para além de grande e bonita, é tão suave e confortável. É um gosto andar com ela, logo que se tenha a atitude condizente. Pedalar com calma e tranquilidade, numa de usufruir do passeio e dela própria.
Embora já tenha ficado mais do que evidente, aqui fica a minha resposta:

- Quero!

21.09.21

“Tens muita sorte!”


Rui Pereira

Por trás da euforia das novas bicicletas que chegam a um ritmo anormal, existe um trilhar de caminhos não desejados que as redes sociais iludem e que as aparências não mostram.
O espaço quase atestado de bicicletas não é suficiente para preencher o vazio que sinto. Também não tinha de ser. Só a ilusão podia fazer pensar que sim. Já não me iludo.
Continuo meio à toa, mantendo rotinas. Umas só porque sim, outras porque me ajudam. E estas, contam.
Andar de bicicleta ou limpar uma; ouvir música; folhear aquela revista; ler algumas páginas de um livro ou um blogue de alguém que gosto. Ou escrever, como faço agora. Refugiar-me no meu espaço, rodeado de bicicletas, e conciliar (quase) tudo em um.

bikes_office.jpg


Mesmo assim, foge-me o pensamento. Caio no vazio, na inação, na incapacidade, na ausência de soluções.
A partilha continua a iludir. As intencionadas imagens só mostram uma parte da realidade. Aquela que queria que fosse. A boa!
Alguém sentencia - Tens muita sorte!
Se calhar não faz sentido que assim não seja. Que se destaquem fragilidades em vez de pontos fortes. Melancolia em vez de alegria…
Pego no pano e aplico o produto. Embalado pela banda sonora mais extrema debitada pelas colunas, passo-lhe no quadro. A preocupação, agora, é que fique impecável.
Às vezes, não fica!

15.09.21

Atualizando…


Rui Pereira

Dia 13 – Comprei mais uma bicicleta. Já tinha contactado o seu proprietário em julho, mas não chegamos a acordo quanto ao valor. Entretanto, baixou o preço e assim já foi possível efetivar a compra. Mais uma “singlespeed/fixed-gear”. Está parcialmente desmontada à espera da minha decisão: Com ou sem carreto fixo?

Dia 14 – O SapoBlogs destacou um texto que publiquei ontem. Curiosamente, no dia em que comprei uma nova bicicleta partilhei a “aquisição” da anterior, a Sirla. Um reflexo da desatualização do blogue. Já está mais ou menos decidido que a Foffa será mais uma carreto fixo, mas lá continua meia despida e pendurada.

Quero ver se a apresento logo. E quero dar início à limpeza e montagem de acordo com o que pretendo que seja. Se mantê-la com a roda livre não seria despropositado, sendo mais uma alternativa pela diferença, de carreto fixo é realmente a minha opção preferida, por tudo o que já explanei noutras publicações sobre este peculiar conceito.

Uma nova bicicleta é sempre algo satisfatório, mas…

Dilema: Se por um lado a aquisição de mais uma bicicleta com estas características é a afirmação e reforço da minha ligação e preferência, por outro lado afasta-me ainda mais de um hipotético objetivo de investir numa carreto fixo “à séria”…

Ainda por falar em bicicletas de carreto fixo. Se há coisa que me dá gosto é encontrar alguém com quem possa falar, alguém que as reconheça, com quem partilhe ideias. Já não me sinto tão sozinho neste gosto, nesta abordagem. Ontem aconteceu e com mais de uma pessoa.

Às vezes, acho que devia ser mais abrangente e incisivo na partilha. Não no sentido de influenciar, mas no de dar a conhecer.

14.09.21

A Sirla

BTT de outros tempos!


Rui Pereira

Tinha 19 anos quando comprei uma bicicleta de montanha nacional - Top Sirla.
Foi uma tentativa de regresso às bicicletas que durou muito pouco, infelizmente. Em poucos meses estava a vendê-la, para só voltar aos pedais mais de uma dúzia de anos depois.
Um dia destes, andava eu a limpar o carro quando vejo o meu vizinho trazendo a sua Sirla pela mão. Fartou-se de achar que um dia ia andar com ela. Ia para o lixo!
Nem é preciso dizer mais nada…

sirla.jpg


Via muitas vezes esta bicicleta na garagem do meu vizinho. E até pensava: «Ele nunca anda com aquilo, está ali parada desde sempre… eu ficava com ela!»
Chegou o dia. E veio carregada de extras: um suporte de garrafa, uma bomba de enchimento de pneus, um cabo antirroubo (sem chave) e muita, mas muita ferrugem!
São mais de 25 anos de idade e de falta de uso, e estava um “pouco” pior do que parecia. Mesmo assim, para minha grande surpresa (e do meu vizinho também), depois de lhe encher os pneus andou como se já não andasse apenas há uma semana! Depois, já tinha um dos pneus vazios e os cabos quase se desfaziam...

sirla_manutencao.jpg


Ideia: metê-la a andar gastando o menos possível. Ou nada, se possível.
Entretanto, comprei uns pneus baratos (as camaras-de-ar já tinha) e uns cabos de aço. Os punhos de esponja originais serão substituídos por uns semelhantes que também tenho. E está feito.
Se se partir ao meio, tiro-lhe os pneus e os punhos… e que descanse em paz!

10.09.21

Mudança de trajeto!

Mobilidade


Rui Pereira

O modelo de mobilidade vigente assenta essencialmente no transporte individual. Está tudo estruturado para, por um lado, proporcionar a melhor circulação aos automóveis, por outro, o seu estacionamento. Assim, não será de admirar que as nossas cidades tenham sido literalmente invadidas por estes mesmos automóveis.
Que os automóveis não andam sozinhos nem têm vontade própria e são conduzidos por pessoas é óbvio, mas também não terão sido concebidos para serem ocupados maioritariamente por apenas uma pessoa, até porque a maior parte deles tem cinco lugares, nem para fazerem deslocações ridiculamente curtas, até porque as suas caraterísticas técnicas e estruturais indicam exatamente o contrário. 

 

faixa_bike1.jpg


O automóvel é um meio de transporte muito cómodo, mas o seu uso incorreto e abusivo, estimulado pelo modelo de mobilidade adotado e por toda uma pressão social associada, fez dele um “peso”. Seja pela sua volumosa presença (tanto em movimento como parado), seja pela marca que deixa ao nível ambiental.
As cidades e as vias entupidas de carros revelam um padrão cada vez mais obsoleto e insustentável a pedir urgentemente por alternativas. E estas passarão pelos meios de locomoção suaves e por uma aposta forte nos transportes públicos. E claro, pela forma mais natural de nos deslocarmos - a pé!

faixa_bike2.jpg


Para que as alternativas sejam validadas pelas pessoas e possam realmente fazer jus a esta designação têm de haver condições para o efeito. Se predomina o sentimento de que é perigoso circular de bicicleta na estrada, é normal que exista medo e resistência em aderir a esta alternativa. A exposição será sempre maior e a segurança poderá ser posta em causa, mas os indícios positivos poderão levar pelo menos os duvidosos a experimentar.
Terá de haver uma verdadeira vontade neste sentido da parte de quem decide, uma mudança de hábitos da parte de quem tem de se deslocar diariamente, e uma nova forma de pensar as deslocações e a mobilidade urbana da parte de todos.
Claro que é um grande desafio com várias dificuldades associadas, mas a mudança do trajeto seguido até então, mais do que uma opção é mesmo uma obrigação!

07.09.21

Entre pedaladas e publicações


Rui Pereira

bikeazores.jpg


Já lá vai o tempo da dinâmica pedala/escreve. Fui-me afastando e as publicações foram sendo cada vez mais escassas e dispersas no tempo. Tantas vezes que já abordei esta questão. Que tentei caracterizar a irregularidade e a quebra de publicações. Sem sucesso, diga-se.
Estou numa fase de abstinência. Com poucas publicações e de regularidade praticamente mensal… coincidentemente. E gosto de escrever… Não faz sentido!
Não faz sentido que, perante as adversidades, corte logo com aquilo que me dá prazer!
Todas as vezes identifico o problema, reconheço a minha fraqueza, não compreendo, arrependo-me e…
As minhas publicações expõem textos onde despejo muito da minha relação com as bicicletas – gosto pela escrita e pelas bicicletas, e são ilustradas com as imagens possíveis, umas mais básicas, outras mais alternativas – gosto pela imagem e fotografia.
A base é sempre a mesma. A minha ilha, as minhas bicicletas, a minha perspetiva e os meus preconceitos.
Não vou fazer promessas, nem dizer que vou regressar em força, aquela de outros tempos, nem sequer que vou tentar. Não, as circunstâncias são outras e muito embora exista outro conhecimento e cenários que se repetem, o certo é que este compromisso não chega para a validação destas mesmas promessas.
Continuo a andar de bicicleta e a captar algumas imagens relativas. Se estas pedaladas ilustradas ficarão registadas em texto, logo se vê…
Gostava de criar uma nova dinâmica. Gostava muito que assim fosse!

03.08.21

Lagoa do Fogo Fixed-Gear


Rui Pereira

Os pensamentos conturbados que me assolam a mente, e que me afetam sobremaneira, dizem respeito ao quanto estou insatisfeito com aquilo que faço como atividade profissional.
Não será por acaso que tenho vindo a desafiar-me com eventos pontuais, que pensei nunca ser capaz de fazer e que envolvem a bicicleta de carreto fixo. Há uns tempos fui ao Miradouro da Vista do Rei, mas mais recentemente o arranque deu-se com a ida à Caldeira Velha e a confirmação com uma longa ida às Furnas. Como nos diz a sabedoria popular - “para grandes males, grandes remédios.”
As bicicletas são das minhas principais atividades lúdicas, que permitem repor algum do equilíbrio perdido, mesmo que nem sempre esteja muito certo do que fazer na hora da saída. Protelo para depois arrepender-me...
O facto é que, uma volta, um passeio, uma conquista com as minhas bicicletas, são uma injeção de boa disposição, bem-estar e motivação.

lagoa_fogo2.jpg


Já lá vão duas semanas e desta vez não pude protelar, porque comprometi-me de véspera. O António, companheiro de pedaladas de outros tempos, ia comigo…
Subir à Lagoa do Fogo com a minha bicicleta de carreto fixo!
Ou pelo menos tentar…
Para ser mais preciso, a ideia era subir (e descer!) a Serra da Barrosa pelo lado Norte, sendo que o pormenor do carreto fixo na equação faria toda a diferença. Daí a referência ao descer, quando para as outras bicicletas, dependendo do à vontade do ciclista, acaba por ser só diversão, aqui não é bem assim.
Posso já referir que estava tão satisfeito por ter chegado mesmo lá acima, ao Miradouro da Barrosa, que até me "esqueci" de sofrer na descida!
Também já tinha tido a minha dose.

lagoa_fogo3.jpg


Iniciamos a subida à hora combinada e, entre outros assuntos, as bicicletas e a cultura do carreto fixo foram obviamente temas obrigatórios.
Confesso que a presença, a atitude e a disponibilidade do António foram decisivas para tornar este desafio mais suave e fácil de superar, não podendo deixar de lhe agradecer por isso mesmo.
A salutar troca de palavras interrompida pela minha respiração ofegante era sinal de maior dificuldade do percurso. Aconteceu várias vezes. Sendo que lá no topo as palavras deixaram de ser proferidas, pelo menos da minha parte.
Mas estava decidido e comprometido. Logo eu que faço questão de distinguir desafios de sacrifícios e de não estar muito disponível para os segundos. Inconscientemente, acabei por ir contra mim próprio e contra as minhas limitações físicas, só porque sim. Porque meti na cabeça que tinha de fazer isso!

lagoa_fogo1.jpg

 

07.06.21

Inevitabilidades


Rui Pereira

Nunca gostei da inevitabilidade associada aos motociclistas que os divide em dois grupos: os que já caíram e os que vão cair. A maior sujeição não é necessariamente uma inevitabilidade - é o que penso. O mesmo se aplica a quem anda de bicicleta.
O facto, é que já caí tanto com umas como com as outras!
Não queria que as notas negativas fossem a principal razão de cá vir, mas, mais uma vez, acontece.
Então comemorei o Dia Mundial da Bicicleta (03 de junho) deitado no chão mais ela!
De uma série de circunstâncias banais reunidas resultou uma inesperada e aparatosa queda.
Funcionalmente está tudo operacional, mas existe alguma “chapa riscada e amolgada”, quer no ciclista, quer na bicicleta.
A ansiar que o tempo atenue as consequências físicas e psicológicas, com a consciência de que podia ter sido muito pior. Fica registada a chamada de atenção e serão postos em prática respetivos ensinamentos daqui para a frente.
As coisas improváveis acontecem e nem sempre se conseguem evitar.

O meu agradecimento a todas as pessoas pelo cuidado e apoio prestado numa situação sempre desagradável. 

allez_guiador.jpg

 

27.05.21

Caldeira Velha!


Rui Pereira

Semanas a matutar…
O dia tardava em chegar.
Tirei a fixie do suporte, mesmo achando que não seria desta.
O tempo estava desagradável, com um vento pouco favorável.
Fui andando…
Espreitei lá para cima - nevoeiro!
No momento em que cruzei o acesso, decidi.
A inspiração vinha dos eventos Azores Fixed, mas agora estava por minha conta.
Prossegui a custo, mas controlando. Gerindo o esforço. Com calma.
O objetivo seria alcançar aquele que tracei como o meu primeiro patamar.
Alcançado!
Continuei, mas hesitei logo a seguir, quando pensei no nevoeiro, no vento e na descida.
A descida!
Com uma bicicleta “normal” até seria espetacular, depois do esforço.
A descida com a fixie?!
Dei meia volta, parei para a fotografia e comecei a descer.
Fiz tudo para contrariar o movimento natural dos pedais.
Agarrei o guiador, o melhor que podia, para controlar a bicicleta.
Doseei o único travão disponível.
Dores nos tríceps e nos ombros...
E uma rotação demasiado elevada das pernas que me lembrava a existência dos joelhos.
Já cá em baixo - pensei que fosse pior!
Existem outros patamares...
E mais dias!

globe_caldeiravelha.jpg