Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

A visão de um ciclista açoriano sobre as bicicletas e o ciclismo.

10.01.20

Eu pedalei, pedalo, pedalarei…


Rui Pereira

Continuo. Não consigo deixar. Não quero parar.
Sinto as dificuldades. Acuso o esforço. Os constrangimentos.
Mas também falo, rio, grito. Consolo-me.
Sozinho. Às vezes, acompanhado.
Descubro novos lugares. Os mesmos, de forma diferente.
Traço novos objetivos. Arrisco desafios. Vou.
Outras vezes, não.

pedalar1.jpg

Às vezes custa sair. Depois não quero parar.
Nem sempre com as condições ideais. Não faz mal.
Não existem condições ideais.
Tenho frio, depois tenho calor. Depois volto a ter frio.
Estou molhado. Arrepiado.
Susto. Safo-me por um triz. Arrepio-me.
Esqueço. Faz parte.
Tudo tem um lado bom. Outro menos bom.
O lado bom domina.

pedalar2.jpg

As experiências são incríveis. Umas mais, outras menos.
Mas todas únicas. Diferentes. Deixam-me sorridente.
Vou continuar. Não quero deixar. Nunca vou parar.
Custe o que custar.
Mesmo quando já não o puder fazer.
As minhas bicicletas foram, são e serão sempre pedaladas.
Nem que seja em pensamento!

08.01.20

De bicicleta, à janela!


Rui Pereira

- O senhor hoje veio de bicicleta.
- Já não vinha de bicicleta há bastante tempo. Consola!
- Pois é.
- Ainda ontem, no facebook, alguém dizia que no seu tempo ia namorar de bicicleta… Eu ia sempre de bicicleta para namorar, à janela!
- Era?
- Durante muito tempo. Lá ia eu, sempre de bicicleta!
- Muito bem.
- … Ela já não saía há bastante tempo!

Uma troca de palavras que assisti, à hora do costume, no melhor local, com a temática certa!

08.01.20

Ausente, presente!


Rui Pereira

gloria_tp.jpg


Começou muito cedo. De forma natural, segura e autónoma. A facilidade com que lida e se adapta é desconcertante. Sejam grandes ou pequenas, leves ou pesadas, de estrada, cidade ou todo-o-terreno, com ou sem mudanças, de carreto fixo ou roda livre.
Atualmente, não está para aí virado. Mas faz questão de estar presente para elogiar, experimentar e viver um pouco do meu entusiasmo.

07.01.20

“I Love My Bike”


Rui Pereira

Uma campainha de bicicleta é um acessório com uma função bem definida. Pode ser particularmente útil, para quem faz da bicicleta o seu meio de transporte preferencial, como forma de assinalar a sua passagem. Ou mesmo para quem apenas utiliza as ciclovias em lazer, pois não é raro, em algumas, cruzarmo-nos com mais peões e corredores do que bicicletas.
Tinha uma campainha especial a decorar a minha secretária. Quando estava a terminar a montagem da Gloria lembrei-me dela. Se calhar…
Mais do que a função prática, aqui o objetivo centrou-se no efeito estético e decorativo. Em ter aquele pormenor, aquele toque de diferença. E decorar por decorar, uma campainha de bicicleta é para estar montada numa bicicleta e não sobre um prateleiro superior de uma secretária de escritório.
E a mensagem não podia ser mais verdadeira. Adequada a esta ou a qualquer outra das minhas bicicletas!

i_love_my_bike.jpg

07.01.20

Em 2019


Rui Pereira

Não sou muito de balanços nem resoluções. O ano velho já era e o novo é apenas mais um ano. O resto é calendário.
No entanto, o ano que passou ficou marcado por dois eventos importantes, no contexto, que gostaria de destacar. O primeiro - Nova imagem! - a meio do ano, o segundo - Nova “fixie”! - no fim.
A minha amiga Gaffe deu a este blogue a imagem que sempre quis, mesmo sem saber bem que imagem queria. Às vezes ainda me pergunto como, tal o nível de acerto e precisão, mas o facto é que conseguiu. Ficará marcado para sempre!
Uma nova bicicleta é sempre um evento relevante. A nova “fixie”, segmento de bicicletas pelo qual nutro um carinho especial, trouxe outro brilho a este dezembro marcado pelo mau tempo, pelas festas, pela família, pelos exageros e pelos habituais constrangimentos inerentes.

06.01.20

O teste!

Gloria Magenta


Rui Pereira

Baixas expetativas e a normal apreensão inicial. Foi assim que levei a Gloria Magenta à estrada pela primeira vez. E ainda bem que assim foi, porque acabei surpreendido positivamente.

gloria_milicias1.jpg


Ok, é uma bicicleta pesada, não prima pela nobreza dos componentes nem dos acabamentos, mas revelou um rolar fluido e suave. Pelo menos na ausência de inclinações mais acentuadas, quer ascendentes, quer descendentes. Não há milagres!
Considerando os valores despendidos por cada uma das minhas “fixies”, o da Globe Roll dava para comprar três Glorias. A Roll é indiscutivelmente melhor, mas na prática, a andar, é preciso ter algum conhecimento específico para justificar a diferença.
Acima de tudo, e tal como esperava que fosse, é honesta. E depois é bonita, simples, minimalista e desafiante, como a maioria das “fixed gear” são. No caso, com umas rodas de perfil alto num laranja vibrante e uma corrente vermelha a darem suficientemente nas vistas.

gloria_milicias2.jpg


E pronto, lá está mais uma… Às vezes chateia-me não conseguir dar-lhes o devido uso. E quantas mais são menos uso lhes dou, mas o facto é que é sempre um prazer ter mais uma bicicleta!

17.12.19

O outro lado…


Rui Pereira

Ao ler o texto da Vânia, pensei em mim e em como podemos iludir os outros com aquilo que publicamos. Como comentei a propósito, há mais vida para além daquilo que é partilhado, mas também acho que a atenção deve centrar-se mais nas coisas positivas do que nas negativas. Não às vidas perfeitas, sim à ponderação e ao equilíbrio. Tenho o cuidado de também ir publicando textos que não refletem satisfação, até porque existem situações que são tudo menos isso.

Acima de tudo, não gosto de me iludir. Nem a mim, nem aos outros.

Nem sempre apetece andar de bicicleta ou dar a atenção (limpeza e manutenção) que precisam; às vezes custa muito levantar cedo para fazê-lo; custa suportar o frio quando vou ao mar ou fico a secar as calças nas pernas por ter ido de bicicleta debaixo de chuva; custa pedalar contra o vento forte, assombrado pelo pensamento “de carro isso não acontecia”; nem sempre apetece fazer exercício; às vezes não sei o que escrever e penso em deixar o blogue; tantas vezes que só apetece comer porcarias, em quantidade; só apetece ficar em casa no sofá em frente à televisão; não apetece fazer nada...

Tantas vezes apetece ou não apetece e tantas vezes faço!

Claro que quero mostrar (ser) o melhor de mim, os meus melhores hábitos, práticas e atitudes. Quero partilhar as minhas melhores fotografias. É também assim que ganho motivação para continuar, é assim que dou um pouco de mim e agradeço a quem faz questão de me seguir e tem o cuidado de o demonstrar.

Às vezes, vejo-me a lutar pela perfeição quando sei que ela não existe.

16.12.19

"Projeto" concluído!

Gloria Magenta


Rui Pereira

A Gloria Magenta está pronta. Não foi uma grande preparação/personalização, mas estou muito satisfeito com o resultado.
Tal como pretendido, os únicos componentes que tive de comprar foram duas câmaras-de-ar, e foi porque inutilizei uma na montagem, de resto, aproveitei tudo o que tinha em casa.

gloria_magenta3.jpg


Lista de componentes: Punhos; terminais de punhos; campainha “I love my bike”; manete de travão; espiral de cabo; parafusos; pedais plataforma com gaiolas; selim.
A primeira coisa que fiz, depois de uma limpeza geral, foi corrigir a colagem do logotipo da marca na coluna de direção e dar alguns retoques na pintura. Ficaram por dar uns nas rodas, que farei assim que arranjar a cor em causa.

gloria_magenta2.jpg


Abdiquei do sistema de travão traseiro, uma vez que ficou definida na configuração carreto fixo. Encurtei o guiador original em seis centímetros.
O quadro da Gloria é grande (e pesado) – 57 e ainda não tive a oportunidade de a experimentar sem ser estaticamente, mas não me parece que isso venha a ser um problema, até porque terá um uso mais específico.

gloria_magenta1.jpg


Estava com disponibilidade para encarar calmamente este processo de preparação da Gloria Magenta, mas nem uma semana passou e ficou despachada. Foi uma questão de aproveitar o fim de semana de mau tempo. Não andei de bicicleta, mas tive agarrado a elas!