Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

A visão de um ciclista açoriano sobre as bicicletas e o ciclismo.

07.11.19

Bicicletas analógicas


Rui Pereira

Temos uma tendência natural para complicar. Somos seres cheios de necessidades. Precisamos de muitos artefactos para fazer coisas. Adoramos coisas. Coisinhas tecnológicas. Brinquedos inteligentes que têm montes de funções automáticas e que, julgamos nós, não conseguimos viver sem eles.
Nas bicicletas é a mesma coisa. Quanto mais inovadoras, complexas e tecnológicas, melhor. Há quem já não consiga viver sem elas…
Eu não!
A tecnologia é fria e impessoal, de interação duvidosa. É complexa. É ilusória.
Continuo a preferir as mecânicas, mais tradicionais, analógicas e manufaturadas. Privilegio as mais simples e minimalistas. As mais acessíveis e brandas na relação. As mais robustas e menos sensíveis...
A função e o funcionamento estão lá, a estética também, chega!
É pegar, usar e desfrutar, sem pensar muito, sem complicar…

porto_formoso.jpg

10.09.19

Ditadura da complexidade!


Rui Pereira

Um dia entrei num stand de automóveis. (não foi de bicicletas, foi mesmo de automóveis). Aliás, entrou o meu filho e disse ao vendedor que eu gostava muito de um modelo específico (às vezes falam demais), enquanto o via da montra. Acabei por entrar e fui logo abordado pelo vendedor. Depois de uma breve troca de palavras começa-me a debitar uma lista interminável de extras que o carro tinha (não ouvi metade). A cada suposta “maravilha tecnológica” descrita atribuía mentalmente uma classificação: fonte de problemas; fonte de problemas; fonte de problemas… (Sim, já tinha descrito esta situação no texto “Choque Tecnológico!”)
A ler revistas de motas constato a frequente chamada de atenção para a mais-valia de se poder conectar o telemóvel com a eletrónica da mota em análise (comprar uma mota que não dê para conectar com o telemóvel? Nem pensar!). E para a dimensão do ecrã (a cores) que compõe o seu painel de instrumentos (mas que fascínio é esse que temos por ecrãs?)…

As bicicletas de hoje também valem muito pelas suas fichas técnicas. Pela nobreza dos seus materiais. Pelas inúmeras inovações, tecnologias e eletrónicas empregues na sua conceção e utilização. Pelo seu reduzido peso. Pela busca incessante da eficácia e eficiência extremas!
Estes “extras” acarretam preços elevados e uma sensibilidade também ela “muito extra” e a necessidade de intervenções cada vez mais especializadas e restritas apenas a alguns, e obviamente dispendiosas ("ah, isso nunca avaria" - dizem).

Um dia um amigo disse-me que tinha instalado um sistema de acionamento eletrónico de velocidades na sua bicicleta. Acrescentou que o sincronizou com o aparelho GPS e até a indicação de velocidade engrenada tinha! Concluiu que tinha agora qualquer coisa parecido com uma bicicleta, mas que não era bem uma bicicleta! (não fui eu que disse, foi ele!)

Sinceramente, as bicicletas atuais são cada vez mais objetos demasiado complexos!

singlespeed.jpg
Um exemplar raro e em vias de extinção!