Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

A experimentar o verdadeiro sentido da palavra liberdade!

21.09.21

“Tens muita sorte!”


Rui Pereira

Por trás da euforia das novas bicicletas que chegam a um ritmo anormal, existe um trilhar de caminhos não desejados que as redes sociais iludem e que as aparências não mostram.
O espaço quase atestado de bicicletas não é suficiente para preencher o vazio que sinto. Também não tinha de ser. Só a ilusão podia fazer pensar que sim. Já não me iludo.
Continuo meio à toa, mantendo rotinas. Umas só porque sim, outras porque me ajudam. E estas, contam.
Andar de bicicleta ou limpar uma; ouvir música; folhear aquela revista; ler algumas páginas de um livro ou um blogue de alguém que gosto. Ou escrever, como faço agora. Refugiar-me no meu espaço, rodeado de bicicletas, e conciliar (quase) tudo em um.

bikes_office.jpg


Mesmo assim, foge-me o pensamento. Caio no vazio, na inação, na incapacidade, na ausência de soluções.
A partilha continua a iludir. As intencionadas imagens só mostram uma parte da realidade. Aquela que queria que fosse. A boa!
Alguém sentencia - Tens muita sorte!
Se calhar não faz sentido que assim não seja. Que se destaquem fragilidades em vez de pontos fortes. Melancolia em vez de alegria…
Pego no pano e aplico o produto. Embalado pela banda sonora mais extrema debitada pelas colunas, passo-lhe no quadro. A preocupação, agora, é que fique impecável.
Às vezes, não fica!

15.09.21

Atualizando…


Rui Pereira

Dia 13 – Comprei mais uma bicicleta. Já tinha contactado o seu proprietário em julho, mas não chegamos a acordo quanto ao valor. Entretanto, baixou o preço e assim já foi possível efetivar a compra. Mais uma “singlespeed/fixed-gear”. Está parcialmente desmontada à espera da minha decisão: Com ou sem carreto fixo?

Dia 14 – O SapoBlogs destacou um texto que publiquei ontem. Curiosamente, no dia em que comprei uma nova bicicleta partilhei a “aquisição” da anterior, a Sirla. Um reflexo da desatualização do blogue. Já está mais ou menos decidido que a Foffa será mais uma carreto fixo, mas lá continua meia despida e pendurada.

Quero ver se a apresento logo. E quero dar início à limpeza e montagem de acordo com o que pretendo que seja. Se mantê-la com a roda livre não seria despropositado, sendo mais uma alternativa pela diferença, de carreto fixo é realmente a minha opção preferida, por tudo o que já explanei noutras publicações sobre este peculiar conceito.

Uma nova bicicleta é sempre algo satisfatório, mas…

Dilema: Se por um lado a aquisição de mais uma bicicleta com estas características é a afirmação e reforço da minha ligação e preferência, por outro lado afasta-me ainda mais de um hipotético objetivo de investir numa carreto fixo “à séria”…

Ainda por falar em bicicletas de carreto fixo. Se há coisa que me dá gosto é encontrar alguém com quem possa falar, alguém que as reconheça, com quem partilhe ideias. Já não me sinto tão sozinho neste gosto, nesta abordagem. Ontem aconteceu e com mais de uma pessoa.

Às vezes, acho que devia ser mais abrangente e incisivo na partilha. Não no sentido de influenciar, mas no de dar a conhecer.

08.09.21

Em busca do equilíbrio perdido! (2)


Rui Pereira

surfskate.jpg


As rodas são mais baixas e em maior número, mas também servem.
Tudo o que sirva para continuar a rolar, mantendo a compostura, é bem-vindo.
A perda de equilíbrio e até as quedas fazem parte da equação, mas… dispenso-as bem!
Sim, ok, há que saber cair e levantar.
Hummm...
Deveria haver uma idade limite para cair. E um amplo crédito de risco para gastar renovável a cada três meses!
É que já custa muito, sejam de que natureza forem.

12.05.21

Fazer o que faz bem!


Rui Pereira

A dificuldade que tem em erguer a cabeça é notória. Salva-se o momento em que, apressadamente, monta a bicicleta e segue na direção do que lhe faz bem e de quem lhe quer bem. Compreensível a pressa.
O céu e o mar são azuis, mesmo que não sejam, e os sorrisos aliviam o semblante carregado de quem acarta o mundo às costas. O corpo não revela as quatro décadas e meia de vida, mas a gota de suor que lhe escapa da testa é um sinal da fuga ao nocivo.
A experiência deixou a nu aquilo que já sabia que ia acontecer, mas não queria ver. De forma crua e arrebatada. Tanto fugiu. Não ia durar a vida toda. Sente-se sozinho no meio de uma encruzilhada sem saber que caminho seguir. Sem saber qual é o seu…
No mar e na natureza está tranquilo. Quando monta a bicicleta, confortável. Mesmo que ocasionalmente assombrado por pensamentos nefastos. Precisa de equilíbrio. Sabe que tem de tomar decisões. Tem de traçar um percurso. O seu...
Ainda não sabe bem como, mas, certamente, fazendo o que lhe faz bem lhe ilumine o sentido.

orbita_classic_avenida.jpg

 

26.03.21

Evolução & decadência


Rui Pereira

Foram decisões mais ou menos coincidentes no tempo e responsáveis por um desenvolvimento significativo, físico e psicológico. O regresso às bicicletas e aos estudos.
Um período especialmente produtivo e saudável, com objetivos bem definidos, onde a carga anormal de tarefas não beliscava minimamente a capacidade de as concretizar. Conseguir fazer tanta coisa e estar tão bem por isso mesmo.
Por inerência, surgiu a atividade singular no blogue (não este) e a leitura. Na verdade, ganhei uma nova visão do mundo à minha volta e um novo estilo de vida. Ganhei novas prioridades, novos interesses e uma grande paixão. Tornei-me mais curioso, interessado e atento. Mais ligado à Natureza e à minha Terra!
Daí para cá, e depois de alguma sustentabilidade, tem sido sempre a descer...
Todos os princípios basilares mantêm-se, mas a estrutura tem sido abalada por questões inerentes à vida, quer internas quer externas, que têm influência direta na deterioração do equilíbrio.
Profissionalmente nada mudou. Conformei-me e, sem dar bem por isso, o problema de identificação cresceu de dia para dia. Agudizou-se nos últimos tempos, onde já nem os meus escapes compensam na devida medida. É um sacrifício levantar-me todos os dias úteis de manhã!
Tanto peso que já levantei com o corpo e ter tanta dificuldade a carregar com esse que nem consigo quantificar?!
São anos de desfasamento com aquilo que são os meus gostos e referências, a minha área de formação, a minha tendência e aptidão natural, também por culpa própria!
Mas a questão é mais abrangente e ganha contornos de crise existencial quando, na prática, a minha vida diverge da forma como a penso e, cada vez mais, a vejo desprovida de sentido. Tanta coisa indefinida, por decidir, suspensa...