Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

A experimentar o verdadeiro sentido da palavra liberdade!

24.11.20

As bicicletas não são tudo, mas são muito!


Rui Pereira

A minha verdade e a minha razão e aquilo que sinto, são exatamente isso. Exponho-o porque quero e porque me faz sentir bem.
É sempre um desafio traduzir em palavras aquilo que sinto e porque o sinto, numa partilha descomprometida e sincera.
Defendo a minha razão com veemência, mas sem a impor. É apenas a minha razão que exponho. Tenho esta vontade. Tenho este gosto. Tenho esta facilidade, dentro da dificuldade.
Faço-o por mim, porque acho que sou diferente e que posso fazer a diferença. Num texto, numa frase, numa palavra, num pormenor, onde posso revelar o meu rumo, a minha realidade e os meus sonhos. Subtilmente.
Falo de bicicletas com autoridade, mas, acima de tudo, com elevada proximidade. Personifico-as. Atribuo-lhes o estatuto de companheiras e confidentes. Abordo-as de mente aberta e com sensibilidade.
Dispenso o meu pragmatismo sem esquecer o seu valor prático, mas as bicicletas são muito mais do que isso. A harmonia com que congregam os mais variados fatores de excelência é rara.
As bicicletas não são tudo, mas são muito!

miradouro_monte_santo.jpg

04.11.20

Foi com ela que tudo começou!

Specialized Allez Steel


Rui Pereira

Materializei a minha renovada visão do mundo das bicicletas com a aquisição da Specialized Allez Steel.


(Specialized Allez Steel - 2011 / Imagem: 2019)


Depois daquele período inicial de grande entusiasmo e euforia, com todos aqueles desejos disfarçados de necessidades, perfeitamente enquadrados com os padrões mais consumistas, mudei efetivamente de postura, preferências, objetivos e prioridades.
Desinteressei-me da competição, mudei o foco das minhas intenções e ponderei muito mais as aquisições. Desliguei-me das tendências mais atuais, dos topos de gama e dos últimos gritos tecnológicos. Passei a privilegiar os produtos clássicos, tradicionais e intemporais. Com menos prazo de validade. Mesmo os mais recentes, mas com aquela imagem de sempre. Fiz um regresso às origens fascinado que fiquei com as bicicletas de carreto fixo.
Reuni um número considerável de bicicletas, mas tenho a desculpa de que as sete somam um valor total ridiculamente baixo quando comparado com os valores que se tornaram banais por aí.

- Quando adquiri a Allez já tinha a BTT. Ainda a tenho e não tenciono desfazer-me. Está lá com as suas rodas 26 e está muito bem;
- A dobrável portuguesa, a fazer lembrar a bicicleta que tive em miúdo, foi decisiva para implementar a minha vontade de deixar de fazer deslocações ridículas com o automóvel;
- Um sonho concretizado - a minha primeira fixed-gear. Na altura, com muitas dúvidas. Estava longe de pensar que seria hoje a minha bicicleta mais solicitada;
- Rotinas diárias associadas à bicicleta estabelecidas. Altura de ter uma citadina tradicional, menos limitada do que a dobrável, para poder ir mais além neste departamento;
- Fiz uma inflexão no sentido que seguia. A certa altura desejei algumas soluções mais modernas numa bicicleta de estrada. Do aço para o carbono;
- Mais uma fixed-gear. Só por curiosidade, nova custou-me apenas 16% do valor da anterior que foi comprada usada.

O aço e a liga de aço dominam. A tradição e a simplicidade também. A pureza, a estética, a envolvência, os desafios e as sensações inerentes definem a linha que escolhi. E com esta a seleção das bicicletas.

Uma das principais é a Specialized Allez Steel e, na prática, foi com ela que tudo começou!

17.09.20

Farol


Rui Pereira

roubaix_farol.jpg

 

A minha caminhada ciclística é guiada pelas minhas bicicletas.
Os sonhos, os objetivos, as prioridades e os gostos foram mudando.
Na terra, na estrada, com e sem mudanças, sem e com carreto fixo.
O caminho percorrido, mais do que diversificado, é evolução.
Hoje, ando em qualquer uma delas com à vontade, sem desculpas nem preconceitos.
Vou quando, aonde, como e com qual quero. Com elas sou livre!
E, cada vez mais, sei para onde quero ir. Sei o que quero fazer.
Os resultados dependem do tempo... Há tempo!
O percurso está iluminado. As bicicletas são o meu farol.
Condição? A minha opção!

31.07.20

É tudo uma questão de aceitação e valorização!


Rui Pereira

A forma de lidar com as minhas bicicletas, hoje, está relacionada com algumas perdas do passado.
À ligação, que integra o gosto de ter, o uso, o cuidado e a contemplação, está associada a dificuldade da separação. Ou seja, algumas vezes equacionei uma possível troca ou venda de uma das minhas bicicletas, normalmente daquelas das quais estou mais afastado, mas nunca fui capaz de concretizar.
Anteriormente a minha ligação material fazia-se com as motas. Tal como as bicicletas, que integram o meu atual estilo de vida, antes eram as motas.
Quando supostamente atingi aquilo que sempre quis neste departamento, desvalorizei e dispersei o meu foco, ajudado pela mudança de circunstâncias, quando as motas deixaram de estar tão presentes. Não satisfeito com uma, dei duas cabeçadas! Na primeira, só me desfiz da melhor mota que tive e uma das melhores (para mim) das que tive oportunidade de experimentar.
Se durante muito tempo justificar cegamente estas ações ou tentar esquecer eram a minha prioridade, agora a aceitação é a opção. Até porque elas tiveram o seu propósito e proporcionarem-me bons momentos aos seus comandos foi um deles.
Não posso voltar atrás. Está feito!
Dificilmente conseguirei ter motas iguais. Paciência, hoje também não faria muito sentido. Enquanto as tive, vivi-as intensamente (se calhar demasiado) e usufruí delas como consegui (com os meus habituais constrangimentos). Foi (é) a minha forma de encarar as coisas. Aceito isso!
Claro que tudo aquilo que puder fazer para mudar e melhorar pessoalmente terá o meu maior empenho, por isso mesmo, aprendi. As asneiras cometidas ensinaram-me que decisões relacionadas com algo que nos diz tanto, tomadas de ânimo leve e até com alguma leviandade, podem trazer maus resultados. Aceitei isso!
Tal como as compras, normalmente tão pensadas, uma possível troca ou venda deve receber o mesmo tratamento. E se não me consigo desfazer de nenhuma das minhas bicicletas é porque elas têm o seu lugar, a sua função, o seu propósito. E porque gosto delas. Independentemente das suas caraterísticas e do seu valor de custo.
É tudo uma questão de aceitação e valorização!

A felicidade não é ter o que se quer, mas querer o que se tem.

(Este texto e respetiva citação surgiram da leitura do livro de Anette Herfkens,“Turbulência”)

23.06.20

Liberdade para pedalar!


Rui Pereira

mini_bike.jpg

 

Conseguir andar de bicicleta, mesmo com muitos outros estímulos presentes, continua a ser um marco digno de registo nas nossas vidas.
A bicicleta começa por ser aquele brinquedo apelativo e desafiante que queremos experimentar e dominar. Que nos permite experimentar a velocidade e sensações únicas de autonomia e liberdade!
A sua eficiência não é necessariamente o foco, mas sim a diversão aos seus comandos.
Com o passar do tempo surgem outras companheiras, outros desafios, que nos acompanham o crescimento e a exigência.
Para uns, a relação perdura no tempo, para outros, suspende-se e reata-se mais tarde, para outros ainda, perde-se para sempre…
Os resistentes, agora, usufruem da utilidade e beneficiam da conveniência. Mas mantem-se a diversão e a satisfação de pedalar com a brisa na cara. Exercita-se o corpo e descontrai-se a mente. Experimenta-se de uma forma ainda mais vincada e significativa a liberdade!
A liberdade da opção, da diferença, da simplicidade, da independência!

05.02.20

Andar de bicicleta é...


Rui Pereira

O som caraterístico da roda traseira funde-se com o som da deslocação do ar impulsionado pela velocidade. A estes, acresce o da fricção dos pneus no asfalto, no caso, mais ténue, e o do roçar dos calços dos travões na pista das rodas para o efeito, sempre que são acionados.
- Andar de bicicleta é um brinde aos sentidos e às sensações!
Às vezes nem damos por isso, porque os pensamentos fluem como que a acompanhar o rolar da bicicleta.
- Andar de bicicleta é distrair-nos de tão concentrados e concentrar-nos de tão distraídos!
O corpo acusa a entrada brusca na fenda presente no asfalto impossível de evitar. Ai! Mas pronto, está tudo bem. Prossiga a marcha.
- Andar de bicicleta é testar o nosso poder de reação e improviso!
Uma via ligeiramente descendente leva-nos a meter carga na transmissão e a aumentar o ritmo e a força na pedalada. A velocidade aumenta exponencialmente, a par do batimento cardíaco e da temperatura corporal.
- Andar de bicicleta é ir ao limite físico, é experimentar o bom da dor e do cansaço!
Os sentidos despertos, a concentração elevada, a pronta resposta. A velocidade. O controlo. O gozo de a levar…
- Andar de bicicleta é um exercício pleno de liberdade, desafio, bem-estar e prazer!

08.01.20

Ausente, presente!


Rui Pereira

gloria_tp.jpg


Começou muito cedo. De forma natural, segura e autónoma. A facilidade com que lida e se adapta é desconcertante. Sejam grandes ou pequenas, leves ou pesadas, de estrada, cidade ou todo-o-terreno, com ou sem mudanças, de carreto fixo ou roda livre.
Atualmente, não está para aí virado. Mas faz questão de estar presente para elogiar, experimentar e viver um pouco do meu entusiasmo.

31.10.19

Foi a bicicleta que me ensinou…


Rui Pereira

Ao comparar as fotografias da minha participação na mesma prova de bicicletas, com uma diferença de 9 anos entre si, constatei que ter adquirido e voltado a andar de bicicleta foi uma influência muito positiva, para implementar novos hábitos e mudar a minha perspetiva numa série de realidades pessoais.

Se é incontornável que hoje estou mais velho 9 anos, também é certo que me sinto melhor e considero estar com melhor aspeto.

Aprendi a comer, a exercitar-me, a valorizar aquilo que não alcançava, a fazer o que não achava exequível, a saber o que posso e não posso fazer, a deslocar-me, a libertar-me de preconceitos, a conhecer o meu corpo, atributos e respetivas limitações.

Foi a bicicleta que me ensinou…

Foi a bicicleta que me levou a pedalar mais vezes por semana, para ter outro à vontade no domingo. Foi a bicicleta que me levou a variar nos exercícios, a conhecer novas modalidades e a voltar a outras, entretanto esquecidas. Foi a bicicleta que me levou ao mar e aonde foi preciso. Foi a bicicleta que me ensinou que é possível fazer exercício fora de 4 paredes, na rua, na natureza. Foi a bicicleta que me alertou para a importância da hidratação e da alimentação. Foi a bicicleta que me ensinou que os hábitos tiram-se e põem-se. Foi a bicicleta que me despertou para a importância da gestão do esforço, da presença do desafio, mas também para descartá-lo se a sua dimensão assim o impor. Foi a bicicleta que me levou a ser mais aberto, curioso e a experimentar.

Foi a bicicleta que me levou a fazer muito mais do que apenas pedalar.

Foi a bicicleta que me ensinou. É a bicicleta que me ensina!

04.10.19

A Cultura da Bicicleta!


Rui Pereira

A minha relação com a bicicleta vai muito para além do ter. Podia ser apenas uma, não é o caso, mas este facto é indiferente.
De uma simples compra, que mesmo assim envolveu algumas centenas de euros, seguiram-se outras, e elas, as bicicletas, foram ganhando outro estatuto. Transformou-se a forma de as encarar e utilizar. Alteraram-se os atributos prioritários.
De pessoa que tem uma bicicleta passei a ser um convicto utilizador da bicicleta ou, um ciclista não competitivo. Por desvalorizar a competição e ser um bocado indiferente às últimas e tão badaladas soluções tecnológicas, nem sempre sou compreendido ou bem aceite pelos meus pares. Mais uma vez, indiferente.
Revejo-me muito mais na função simples e básica da bicicleta, em comunhão com a pureza e beleza das linhas de sempre!
Algumas delas passaram da garagem para as outras divisões da casa e acumulam funções, as básicas com a de peça decorativa. Começaram a invadir voluntariamente a minha vida nas roupas, nos acessórios, nas leituras, na escrita…
Até posso não pedalar tanto como seria suposto, mas a bicicleta não é apenas isso. É um estilo de vida. É uma cultura. E eu alimento esta cultura…
A Cultura da Bicicleta!

veloculture.JPG

16.09.19

“Not Falling”


Rui Pereira

bike_walk.JPG
São pequenos, queremos que cresçam.
São dependentes, queremos que sejam autónomos.
Começam a ficar grandes, a pedir autonomia e a reclamar do controlo.
Arrependemo-nos do que desejamos. Queremos que o tempo volte para trás.
Não!
Que pedale. Que vá. Que siga o seu caminho!
Que se “suje”, mas não caia. Pelo menos não de muito alto.
É o que esperamos sempre, mesmo sabendo que...
Que se saiba levantar!