Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

A visão de um ciclista açoriano sobre as bicicletas e o ciclismo.

Bike Azores

A visão de um ciclista açoriano sobre as bicicletas e o ciclismo.

Fixed Gear / Fixie

Se pensar um pouco naquilo que realmente gosto e que mexe verdadeiramente comigo dentro das bicicletas e do ciclismo, as bicicletas de carreto fixo (conhecidas por fixed gear ou fixie) aparecerão obrigatoriamente no topo da lista!
Com certeza que estariam mais presentes na minha vida se as tivesse descoberto com outra idade, se não tivesse um joelho problemático, se fosse mais afoito e se vivesse noutro local, mas isso não me impede de ter uma e de usufruir do que ela tem para oferecer, mesmo com as referidas limitações.
Para além deste segmento específico, gosto especialmente de tudo o que envolva soluções mais simples e tradicionais, tanto por questões estéticas e visuais, como pela menor complexidade implícita. Desculpem-me os apreciadores, mas, por exemplo, eletrónica em bicicletas? Eh pá, não!
Já fui o suficientemente extravagante quando adquiri uma relativamente recente bicicleta de estrada em carbono. Aliás, analisando bem o seu uso e a duplicação de bicicletas do mesmo segmento, com a minha Steel a ser relegada para segundo plano, se fosse hoje, o mais certo seria não o fazer!
Ao nível conceptual as fixie transpiram pureza e afirmam-se como um regresso às origens. Assim eram as primeiras bicicletas. E são um brinde à simplicidade, ao estilo e ao minimalismo. São bicicletas únicas e funcionais, reduzidas ao essencial, onde até os travões são dispensáveis!
Se estaticamente impressionam, o que dizer no aspeto dinâmico. São exigentes e desafiadoras, mas ao mesmo tempo intuitivas e naturais, logo que haja abertura para sentir o seu funcionamento. A relação homem/máquina está bem presente e basta ver alguém competente aos seus comandos para perceber como as duas partes funcionam como uma só!
As fixed gear são encantadoras e apaixonantes como mais nenhumas!

Tão diferentes, mas tão iguais!

Nisso das bicicletas há inúmeras atitudes e formas de estar por parte de quem anda nelas, o que motiva diferenças enormes de andamento e de habilidade aos seus comandos.
Pensar na generalidade, onde existem apenas dois grupos diferentes, os profissionais e os entusiastas, diferentes entre si, mas internamente homogéneos, não é correto.
Aqui interessa-me falar essencialmente dos entusiastas, muitos deles verdadeiros atletas, onde a vastidão dentro do grupo é imensa.
Para quem está dentro do meio, isso nem sequer é assunto, por ser tão óbvio e indiscutível, mas sou muitas vezes interpelado por pessoas de "fora", que demonstram um grande desconhecimento neste sentido, não conseguindo alcançar o fosso que pode haver numa comparação entre praticantes aparentemente semelhantes.
A regularidade e a intensidade da prática, para não falar em métodos de treino, onde todo um modo de vida converge para o aumento da performance, fazem toda a diferença. Mesmo considerando unicamente o estatuto de amador e a possibilidade de não haver sequer uma grande intenção a montante.

Meti-me c'a besuga num camin que nã conhecia...
Aquilo era sempre a subi, mas era même a subi c'mó demónio!
Tava penande o gadêie, quase pronte pa Dês me levá...
Quande passa por mim um petchéne... C'ma nada!
- O senhô tá bem? - pergunta.
- Tá tude bem, sagrade! - respondi, tentande escondê a cara más páleda que um defunte.
- Sim senhô, té logue entã! - diz, acelarânde como se tevésse um motô na bcecléte!
Nisse, oia pa trás e apanha-me a fazê focins de dô. Nã dê tempe de desfarçá!
Ri-se, même c'aquela cara de gozanim, e dê-lhe semp'im quent...

E quem diz andar mais, diz ultrapassar obstáculos, saltar, fazer acrobacias e por aí a fora!

Isse há praí cada cabeça douda!
Esses demones fazim é cavalins, é burrins, é truques, é pules...
- Êh maldites, vocezes tamam devim de dá cada estacada, crêde!
E ê que pinsava que sabia andá de bcecléte e afenal nã sê fazê nada que se veja...
Sou même um zabela!

Claro que existem fatores importantes como a idade, a maneira de ser, o histórico desportivo e até a genética, mas a disposição, a entrega e a vontade de concretizar objetivos e de se superar são determinantes.
Óbvio é também o facto de que nem todos têm este propósito quando pedalam numa bicicleta. Eu sou um deles. Tenho uma visão mais abrangente e combinada das pedaladas, mas não deixo de reconhecer quem apresenta esta capacidade.

Às vezes, ouço alguns entusiastas criticar outros entusiastas, por supostamente pensarem ser profissionais, como também ouço estes outros entusiastas, supostamente profissionais segundo alguns entusiastas, que estes mesmos entusiastas não andam nada!

Todos entusiastas, tão diferentes, mas tão iguais!

Zabela & Besuga: É uma espécie de rubrica do blogue, onde o Zabela (personagem fictícia que caricatura um homem simples da ilha de São Miguel, que se desloca para todo o lado com a sua bicicleta) escreve tal como fala, com um carregado sotaque micaelense, e a Besuga é exatamente a sua fiel e amada bicicleta, companheira crónica de inúmeras aventuras.

Diferentes

Tenho bicicletas de origem americana e portuguesa. São marcas bastante diferentes entre si, com uma oferta e um posicionamento de mercado completamente distintos. Mas gosto de todas!
A americana Specialized é uma marca de topo com a qual já tenho uma relação de longa data. Por isso mesmo, é a que recorro normalmente seja para a aquisição de bicicletas, acessórios e equipamentos. E depois existem as exceções que confirmam a regra.
Nem sempre compramos exatamente aquilo que queremos, por uma série de circunstâncias e limitações que não conseguimos controlar, mas sim aquilo que podemos e nos proporcionam comprar. Há sempre uma questão de conveniência que nos pode aproximar ou afastar do pretendido.
Confesso que, desde o tempo das motas, tenho uma preferência pelas produções de origem europeia, em particular pelas italianas. Nas bicicletas acontece o mesmo. Gosto muito da Specialized, foi, é e será sempre uma opção segura, mas o meu coração, lá no fundo, palpita por uma… COLNAGO!

colnago_master.jpg

Imagem: Colnago

 

Se calhar as coisas têm de ser mesmo assim. É que o encanto e o deslumbramento derivados da imagem, do prestígio e da história, também são acentuados pela menor acessibilidade.
E quem fala em Colnago (uma das minhas marcas preferidas de sempre), fala em muitas outras marcas italianas e europeias que têm uma oferta diferente, mais carismáticas, menos de massas…
E a questão é exatamente essa, não é serem melhores, é serem simplesmente diferentes!

A encantadora!

Um dos problemas de ter várias bicicletas é que em determinado momento existem algumas delas que vão estar mais paradas do que seria desejável.
A minha Globe Roll é uma daquelas bicicletas que, pelas suas caraterísticas, não permite uma utilização muito abrangente, até pelo contrário, exigindo condições específicas. Não é bicicleta para voltas muito longas, nem muito desafiantes ao nível do percurso e das suas diferenças de altimetria.
É, por isso mesmo, uma das mais relegadas ao suporte…
Mas quando decido que está na hora de lhe levar para a estrada, depois daquele primeiro embate motivado pela falta de velocidades, pelo seu carreto fixo, pela ausência de travão traseiro, é das bicicletas que mais me dá prazer!
O facto é que nem sei explicar bem porquê, até porque são alguns constrangimentos e outro tanto de agressividade, e masoquismo não é muito a minha onda…
Julgo que palavras como diferença e desafio podem fazer parte da equação e do encanto. Sim, encanto. Esta bicicleta tem esta capacidade sobre mim…
A mais pura. A mais simples. A mais encantadora!

roll_portao.jpg

Isso das bicicletas é algo muito abrangente!

A sua amplitude é tanta que podemos ter em cima de uma bicicleta uma pessoa sedentária que se limita a sair com ela num bonito dia de sol, para dar uma curta volta à beira mar, e que mesmo assim eleva o seu ritmo cardíaco para lá do que é habitual, como também um atleta de alta competição 100% dedicado, que monta a sua bicicleta para treinar e competir como se não houvesse amanhã, e encara aquela "parede" impressionante como se fosse apenas mais uma chata reunião de trabalho!
E entre estes dois extremos ainda existem tantas diferenças, sejam físicas e técnicas, sejam de atitudes e formas de estar, que só quem está relativamente dentro do meio é que consegue alcançar!
Só para dar um exemplo, para vários familiares e amigos sou um gajo que exagera, que pedala demais, quase obcecado, quando na realidade o que faço, comparando com muita boa gente que por aí anda, é simplesmente ridículo!
E quem fala em número de quilómetros percorridos e na rapidez com que se fazem, fala na capacidade técnica de outros, que se atiram montanha abaixo ultrapassando todo o tipo de obstáculos a velocidades loucas, como se de uma rampa lisa se tratasse!
(Este texto está carregado de pontos de exclamação porque de facto as diferenças assim o exigem!)
Toda esta diferença que estou aqui a tentar explicar é visível mesmo sem fazer comparações com os outros. A mesma pessoa pode cavar um fosso tão grande entre aquilo que era e aquilo que é, logo que pedale com a determinação e a regularidade necessárias!
Dando mais uma vez o meu exemplo, quando voltei a andar de bicicleta fazia-o normalmente uma vez por semana, ao domingo, a partir do momento em que comecei a fazer “Indoor Cycling” no ginásio (3 vezes por semana), em pouco tempo a minha capacidade para pedalar passou a ser muito superior!
É certo que seria expetável, embora de uma forma mais gradual. Mas há ainda outro facto curioso. O meu ritmo era diferente, mas não tão diferente como um companheiro de pedaladas que com a mesma regularidade, em vez de fazer “Cycling” saía efetivamente para pedalar com a sua bicicleta!
De facto, existem muitas variantes e nuances que podem fazer e fazem a diferença, desde logo com a genética e a aptidão natural à cabeça. Gostar é essencial, tal como ter a capacidade psicológica para manter permanentemente o foco num determinado objetivo, apesar de todas as condicionantes e dificuldades, fazendo tudo para o conseguir atingir!
Há muito tempo que digo que a palavra-chave no ciclismo é desafio. Nesta equação não gosto da palavra sacrifício, mas como é óbvio, está implícita. Agora pode é ter vários níveis. E é normal que quanto mais se consiga suportar mais longe se chegará, se for este o desafio que se tenha decidido aceitar!
Mas a bicicleta como veículo democrático que é, e com todas as suas diferenças intrínsecas, continuará a aceitar, de igual forma, todos os que a queiram montar, sejam representantes dos extremos inferior e superior, sejam representantes de um tão vasto meio que esses mesmos extremos encerram!

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D