Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

A visão de um ciclista açoriano sobre as bicicletas e o ciclismo.

12.12.19

Nome: Gloria Magenta


Rui Pereira

gloria_logo.jpg

Specialized, Órbita, Globe e Gloria são as marcas das minhas bicicletas. Não são nomes. Aliás, nenhuma tem nome, porque não gosto de dar nomes às bicicletas. A marca – Gloria, da minha mais recente aquisição, pode sugerir que fui eu que a batizei. Não o faria, até porque nem acho este nome especialmente bonito, embora sugira, lá está, grande feito ou virtude. Confesso que mal a conheço, ainda nem sequer andei nela, mas não me parece que tenha grandes virtudes. Chega-me que seja tão honesta como é modesta. Um dia dei um nome a uma mota que tinha. Uma espécie de diminutivo fofinho da marca – Suzuki. Hoje lembro-me disso e acho ridículo, daí nunca mais ter dado nomes ao que quer que seja que tenha rodas. E mesmo que não tenha. Têm marca, têm modelo, e chega. Gloria Magenta… Já de si é meio esquisito, não é?

11.12.19

Sete!


Rui Pereira

Não, não estava a precisar de mais bicicletas.
Não sou muito dado a impulsos consumistas e normalmente pondero muito bem as minhas compras, mas quando se trata de bicicletas equilibro um pouco mais a razão com o coração.
O facto é que sou muito ponderado e cinjo-me realmente ao que necessito. Trocando por miúdos e de um modo geral, não sou um grande cliente!
A compra de mais uma bicicleta (a sétima!), para muitos um exagero sem sentido, teve mais a ver com desejo e oportunidade do que com necessidade, como é óbvio. E para mim, faz sentido. No sentido em que, de vez em quando, também tenho direito a um gosto, a uma extravagância. Não foi um impulso. Ainda tive uma hesitação à última da hora, mas apoiado, decidi avançar. Julgo que haverão vícios piores…
Tratar-se de uma “fixie” também não foi mera coincidência. Pelo contrário, foi a realidade decisiva. Tal como os valores envolvidos. Até porque se trata de um dos segmentos que atualmente mais me cativam, independentemente da nobreza da sua construção e respetivos componentes. Com ela, e basicamente com o que tenho, julgo que conseguirei algo simples, agradável e, acima de tudo, à minha imagem e gosto.
Como já disse anteriormente, quero aproveitar com calma todo o processo para lá chegar, uma vez que me dá muito gozo fazê-lo, em vez de me concentrar na sua conclusão e no resultado final.
Sim, são sete. Tenho sete bicicletas!
E não gosto de números ímpares…

11.12.19

"Projeto"!

Gloria Magenta


Rui Pereira

gloria_quadro.jpg

Ao contrário do que é normal, já que fico logo em pulgas para ter a coisa concluída, não estou com pressa para terminar este “projeto”.
Para já, a Gloria está desmontada. E vai levar uma limpeza. Os seus componentes também. Depois, de entre estes e os que tenho arrumados de outras bicicletas, vou escolher aqueles que serão montados e os que terei eventualmente de comprar.
Mais do que querer uma bicicleta para começar logo a andar, queria uma base para fazer uma montagem minimamente personalizada. Não existem quaisquer condicionalismos práticos. Não terá de ser confortável ou fácil de utilizar. Será apenas aquilo que tiver de ser, até porque não me vem preencher nenhuma lacuna ou necessidade. A única premissa existente passa por aproveitar o máximo existente e comprar/gastar o menos possível.
É muito provável que seja essencialmente uma "carreto fixo" e não uma "roda livre", mas ainda não está decidido (o facto é que ambos os componentes estão montados no cubo, basta rodar a roda). Tal como ainda vou ver se lhe monto pedais de encaixe ou com “gaiola”, guiador reto ou com elevação, largo ou estreito, punhos ou fitas, travão único ou travões e respetivas manetes, etc.
Uma coisa é certa, vai perder aquele aspeto utilitário. Aquele farol, aqueles punhos castanhos enormes e aquele selim de “pasteleira” com molas e tudo…

10.12.19

Nova “fixie”!

Gloria Magenta


Rui Pereira

Um amigo disse-me que tinha visto uma “fixie”, numa loja onde raramente vou. Não liguei muito. Mais tarde, vi uma que correspondia à sua descrição, numa outra loja.
Chamou-me atenção, mas achei estranha. Uma espécie de cruzamento entre uma carreto fixo e uma pasteleira!
Pensa, não pensa. Vê, analisa. Tira fotografia. Pesquisa…
Tem alguns pormenores “engraçados”. É um investimento relativamente baixo. É uma boa base para personalizar, até porque tenho algum material sem uso que posso utilizar. É Natal...
Fui buscá-la!

gloria.jpg

21.11.19

Reflexo


Rui Pereira

roll1_saturada.jpg


Há coisas que têm de ser provocadas.
Sem saber o que escrever, abro uma imagem da minha bicicleta de carreto fixo.
Uma imagem que não é nova, pelo contrário, já acumula alguns meses, tantos que a bicicleta já nem tem esta configuração.
É indiferente. Aos olhos menos entendidos passará perfeitamente despercebido. E que não passasse.
Escolho a imagem de forma aleatória. Sem saber bem o que fazer dela.
À procura de um estímulo.
Aplico-lhe filtros e ajustes. Cumulativamente.
Gosto do resultado.
Mas é uma imagem saturada de filtros e ajustes.
É um reflexo.

04.11.19

Azores Fixed 2013


Rui Pereira

langster_fixie.JPG

Decorria o ano de 2013. Lá andava com as minhas bicicletas, na altura em menor número do que agora, quando soube da existência do Azores Fixed. Basicamente, era um grupo que vinha do continente com as suas bicicletas fixed gear percorrer as estradas da ilha de São Miguel, liderado por um micaelense, exatamente o cérebro desta ideia. Uma aventura, portanto!
Alguém conseguiu combinar um passeio em conjunto com os praticantes locais e eu, muito mais entusiasta do que os demais no que se refere às bicicletas de carreto fixo, não podia perder esta oportunidade.
Foi uma partilha de experiências incrível, inclusive com a possibilidade de experimentar algumas das fixie presentes. Ainda fiquei mais rendido do que já estava e com vontade de ter uma daquelas bicicletas. Espetacular!
Curiosamente, embora muito longe da realidade dos elementos que compunham o grupo, identifiquei-me mais com eles do que com os de cá. Ainda acontece!

21.10.19

Sabes?


Rui Pereira

Fiquei apaixonado por ti, desde o primeiro dia em que te vi.
Deste nas vistas e chamaste a atenção. Gostei, mas não te dei a devida importância.
O tempo passou. Arrefeci e distraí-me com outras.
Passaste despercebida, mas na verdade nunca te esqueci.
Voltei a pensar em ti. Eras difícil e isso retraía-me. Ainda és…
Mas tinhas de ser minha. Empenhei-me. Consegui.
Fui buscar-te. Trouxe-te com cuidado.
Feliz e apreensivo. Ainda meio incrédulo. Consegui!
Atribuí-te lugar de destaque, dei-te atenção, cuidei de ti.
Ainda o faço. Tu deixas. Acho que gostas. Quem não gosta?
És sempre desafiante. Má, às vezes. É a tua natureza. Já devia saber...
É também aí que reside o teu encanto. Para além de seres linda!
Gosto de poder andar contigo. É um prazer ter-te a meu lado.
Sabes que gosto cada vez mais de ti?

roll1_I.jpg

roll1_II.jpg