Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

As bicicletas são uma coisa séria que me fizeram regressar à idade da brincadeira e experimentar o verdadeiro sentido da palavra liberdade!

17.07.20

O motor sou eu!


Rui Pereira

Falava com o meu amigo do costume sobre motas. Falava do meu irmão e como a troca de mota lhe fez outro. Pelo menos, parece, quando o vejo aos comandos da sua nova mota. A anterior, curiosamente aquela que sempre quis (quisemos!), já não lhe assentava. Agressiva, barulhenta, intimidante.
Percebo-lhe bem e acho que ele agora também me percebe, por exemplo, quando lhe falo do prazer que é pegar na minha bicicleta e desfrutar daqueles minutos sobre ela na minha pausa para almoço. De como se passa a encarar as deslocações, mesmo que pequenas, de outra forma. Nem sempre é preciso velocidade, barulho e adrenalina, mas apenas usufruir da fluidez de uma toada calma, do ambiente que nos rodeia, do balançar curva atrás de curva.
E percebo-lhe porque a minha mudança aconteceu de forma ainda mais radical, das motas para as bicicletas, e foi uma leveza.
Mais simplicidade, leveza e liberdade. Menos investimento, complexidade e intimidação!
Se deixei de gostar de motas? Não, não deixei. Se as motas são comparáveis às bicicletas? Não, não são. Mas é normal que tende a fazer um paralelismo entre umas e outras, até para me resolver interiormente e justificar a minha opção, já que pontualmente surge alguma ambiguidade…
Ganham as bicicletas. No conceito, na simplicidade, na limpeza, na eficiência. Ganham porque fazem toda a diferença.
Ganham, basicamente, porque o motor sou eu!

19.07.19

Passado no presente. Duas rodas, com e sem motor.


Rui Pereira

sachs.jpg

Noutros tempos foram as rainhas das nossas estradas. Serviram muitas famílias. Ergueram uma indústria… Foram esmagadas por congéneres importadas. Hoje estão obsoletas. Apetecíveis para quem recupera e negoceia, ou simplesmente quer guardar para recordar. São pedaços de história. E alheios a tudo isso, há quem continue a dar-lhes serventia.

choupal.jpg
Fizeram a alegria de miúdos. Sofriam verdadeiras torturas nas mãos de alguns. Faziam-lhes arriscar, experimentar, sonhar. Permitiam-lhes ir… Agora fazem a de graúdos, nem que seja estaticamente, num claro exercício de saudosismo. Os miúdos de hoje, atrás dos pequenos ecrãs, pouco lhes ligam.

12.07.19

Contraste


Rui Pereira

As cidades são ricas em variedade. No que diz respeito aos veículos, vê-se de tudo. Aos automóveis ligo menos, mas não fico indiferente àquele que por alguma razão se destaca pela diferença. Às motas ligo mais, principalmente aos modelos personalizados ou de outros tempos. E depois ando literalmente atrás das bicicletas e de tudo o que lhes diga respeito. Curiosamente, quando andava à procura de uma loja de bicicletas, tropeço nestes dois espécimes motorizados, lado a lado. Um expoente germânico das modernas viaturas elétricas e uma scooter que tinha tanto de antiga como de exótica, protagonizando um verdadeiro contraste urbano.

contraste.jpg

04.07.19

O seu “motor” somos nós!


Rui Pereira

vespa.jpg


Gostava muito de motas. Gosto de motas, mas…
Tive de definir prioridades. As motas deixaram de o ser. Deixaram de fazer sentido como meio de transporte devido ao crescimento da família e no lazer foram substituídas pelas bicicletas.
As bicicletas esvaziaram-lhes de sentido. São igualmente apaixonantes e incríveis fontes de prazer, com tudo a acontecer a menos velocidade e com menores custos e constrangimentos.
Há silêncio, liberdade, bem-estar, simplicidade, gasto de calorias. Não há emissões poluentes.
Há o casamento perfeito entre divertimento e atividade física.
A cereja no topo do bolo das bicicletas está na sua essência…
O seu funcionamento é soberbo!
O seu “motor” somos nós!

03.05.19

Pedalar e acelerar. E caminhar pela natureza!


Rui Pereira

Este é basicamente um blogue sobre bicicletas, reflexo da importância que estas têm na minha vida. Surgiram inicialmente pela necessidade física, estabeleceram-se pela sua vocação utilitária e acabaram por ser muito mais do que a soma destas duas partes.
As bicicletas são uma paixão. Um regresso às origens, um passo no sentido da simplicidade, da liberdade e do prazer. O prazer de uma volta de bicicleta não se explica, sente-se!
Esta semana tive uns dias sem a minha companheira do dia-a-dia. Senti a sua falta. Como me facilita a vida e contribui para me fazer sentir bem! Arranjei uma substituta por um dia. Não foi a mesma coisa. Mas piores mesmo foram os outros dias…
Mas as bicicletas não são tudo!
Sabia que não devia ter experimentado a mota do meu irmão. Bem que tenho vindo a recusar nos últimos anos. Digamos que o gosto pelas motas era um monstro que tinha adormecido dentro de mim… Acordou!
Domingo não andei de bicicleta. Voltei a sair de mota... Mas teve mesmo de ser, um compromisso pessoal inadiável a isso obrigou. Noutra altura ficaria chateado por não poder sair de bicicleta. Não fiquei. Pronto, vá lá, fiquei um bocadinho. Liberado do compromisso aproveitamos, eu e o meu filho, para uma voltas de mota.
Mas as motas também não são tudo!
No feriado também não andei de bicicleta. Nem de mota. Compromissos desportivos do rapaz para começar bem o dia (e bem cedo). Já a tarde foi dedicada a uma atividade muito aprazível – caminhar pela natureza! Calma, sossego, ar puro e paisagens deslumbrantes. Satisfação, prazer e bem-estar físico e psicológico. Perfeito!
A natureza não é tudo, mas é muito!

cascata.jpg

29.04.19

Dia do Motociclista


Rui Pereira

Devido a um compromisso pessoal, ontem não andei de bicicleta, mas sim de mota.
Coincidentemente, comemorou-se o Dia do Motociclista. Na cidade de Ponta Delgada, como é habitual, os motociclistas organizaram-se e rumaram à Igreja da Matriz, para a tradicional bênção das motas e dos capacetes.
Com o tempo a ajudar, muitos aproveitaram este dia especial para rolar e conviver em grupo, daí o número de motas que circularam ontem, um pouco por toda a ilha, ter sido superior ao que é normal.
Muitas motas reluzentes repousaram enquanto decorreu a eucaristia, dando um movimento e um colorido diferentes ao espaço em redor da Igreja da Matriz, chamando a atenção de apreciadores e curiosos.
Das imagens captadas deixo a que considero mais representativa. No fundo, é aquela que vai de encontro àquilo que mais aprecio no mundo das motas.

zundapp.jpg

09.04.19

Não faz muita falta, mas já que está, fica!


Rui Pereira

Este domingo os pedais deram lugar ao acelerador. Saí montado em duas rodas na mesma, mas em algo motorizado e mais encorpado. Não muito.
A minha modesta scooter 125 completa este ano a respeitosa idade de 10 anos, mas só domingo é que superou a fasquia dos 4 mil quilómetros.
A senhora da casa ganhou medo e nunca mais lhe pôs as mãos em cima; a função de transporte alternativo nunca foi realmente exercida porque conseguimos conciliar as deslocações necessárias com o carro; no meu tempo de lazer a prioridade é a bicicleta. Aqui estão os 3 principais fatores que explicam uma ridícula média de cerca de 400 quilómetros por ano.

sym_moinho.JPG


Esta mota é uma daquelas coisas que não faz muita falta, mas já que está, fica!
E foi ficando. E as baterias vão andando. E vou ligando e pegando nela, de vez em quando, só porque tem de ser. Porque se não o faço, é dar-lhe ao pedal e… era o pegavas. Acaba por pegar sempre, mas às vezes custa.
Mas desta vez, nem necessidade, nem obrigação. Fui andar de mota porque quis, porque não me estava mesmo nada a apetecer andar de bicicleta!
Não é comparável com algumas das motas que já tive, claro, mas mesmo automática, com suspensões débeis e com uma potência diminuta, dá para sentir um pouco daquele prazer de condução quando se leva de forma ligeira de curva em curva. A saída das curvas é lenta e então se o piso inclina pior, mas acaba por ser divertido tentar manter o ritmo, sempre muito tranquilo (hum…) e legal (há sempre um lado positivo).
Era menino para ter uma coisa mais encorpada. Mas nada como noutros tempos sonhei ter. Até podia ser mesmo uma 125 com um caráter mais desportivo, ou uma 250, ou vá lá, no limite uma 400!
Para já, esta vai dando para a despesa, ou melhor, vai dando despesa!
Tenho obviamente outras prioridades neste momento, mas quem gosta…

“Não tento explicar às pessoas porque é que ando de mota. Para os que compreendem, nenhuma explicação é necessária! Para os que não compreendem, nenhuma explicação é possível…” (Autor desconhecido)

15.02.17

Bicicletas vs. motas – Capítulo final?


Rui Pereira

As motas já não fazem sentido para mim!
Já foram a minha maior paixão material, mas gradualmente esta paixão transitou para as bicicletas. Paixão baseada na razão e numa mudança pessoal de perceção e consciência.
A grande mais valia das bicicletas, às quais rendi-me completamente, é conjugarem o prazer e o desafio de andar nelas com a prática do exercício físico inerente. Para além disso, são mais leves em todos os sentidos, práticos e teóricos.
Mesmo ao nível da funcionalidade, para a qual ainda mantenho uma scooter de 125cc, existem as bicicletas elétricas, que no meu caso específico, substituem perfeitamente a primeira, algo que terei de ponderar em breve, já que em primeira análise indicia diversas vantagens.
Existe sempre algum risco a andar de bicicleta, mas consigo tirar tanto ou mais prazer da sua condução e sinto-me muito mais seguro. Com elas tudo é mais fácil e moderado. Atualmente, intimidam-me as velocidades e toda a massa e inércia de uma mota.
Para alguns, este texto fará tanto sentido como as motas para mim neste momento. Eu próprio já condenei outros que davam conta deste facto. Esta comparação e reflexão é algo que tenho vindo a fazer, até porque a mudança dos motores para os pedais aconteceu efetivamente.
Não sou indiferente às motas e estou perfeitamente capaz de as apreciar, mas já não sinto aquilo que sentia, ou seja, não sinto aquele desejo e fascínio que só quem já sentiu sabe o que é. Já não as quero ter.
De uma certa forma, as bicicletas trouxeram-me outro enquadramento e outra consciência da vida, das circunstâncias atuais e do ambiente que me rodeia. Deram-me uma nova visão, mais adequada e realista, em sintonia com as minhas caraterísticas, preferências e princípios. Ajudaram-me a caminhar para onde realmente queria ir.
As bicicletas, agora, fazem todo o sentido para mim!