Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

A visão de um ciclista açoriano sobre as bicicletas e o ciclismo.

10.07.20

A derradeira oportunidade!


Rui Pereira

Ontem falei em perder oportunidades…
Devíamos estar algures no ano de 2009 (ou 2010?), quando, logo pela manhã, recebia uma chamada no telemóvel. Um familiar convidava-me para fazer parte de um negócio de bicicletas! Apercebendo-se do momento excecionalmente favorável e das boas condições que reunia, viu uma oportunidade para o efeito.
Eu vivia altamente entusiasmo com as bicicletas. Passava os dias úteis a planear e a ansiar pela volta de domingo e conseguia contagiar familiares e amigos a fazer-me companhia. Lia revistas, blogues e fóruns dedicados. Geria e alimentava o meu próprio blogue com grande entusiasmo e motivação. Munia-me de material e equipamento, modificava e personalizava a minha bicicleta.
A inesperada chamada apanhou-me de surpresa. Como uma pedra na linha de trajetória a meio de uma curva! Isso está mesmo a acontecer?!
Tinha regressado às bicicletas muito recentemente. Andava doido com tudo o que tinha rodas e pedais, e rolava. Vivia as bicicletas e sonhava com bicicletas! Abrir uma loja e trabalhar todos os dias naquilo que mais gostava já era um sonho, pois claro!
Os compromissos e os estudos recentemente retomados, o filho pequeno, as contas para pagar, mas principalmente o medo do desconhecido, do desafio, do não estar à altura do desafio, toldaram-me a visão. E em vez de ver uma oportunidade (única!) só conseguia ver que, obviamente, teria de sair da minha zona de conforto.
A mensagem foi clara e honesta, e até elogiosa para mim. Este familiar viu esta possibilidade com a minha presença e coordenação. E deixou a decisão nas minhas mãos. Se aceitasse o desafio, a ideia podia começar a rolar no sentido da sua concretização, se não, ficaria por isso mesmo.
Retraí-me. Tive medo! Concentrei-me nas dificuldades e em justificá-las. Justificando assim a minha própria decisão. Falei da concorrência, da dimensão do mercado, da localização…
Não aconteceu. Não estive à altura. Matei a ideia, literalmente!
Hoje, olho para trás e arrependo-me. Tinha de ter acreditado. Nem o meu enorme gosto foi suficiente para vencer o medo e o comodismo. As condições existentes dificilmente se repetirão. Se havia um momento certo, era aquele!
O meu familiar teve esta visão. Eu… logo eu... não!

14.01.19

A Allez Steel e as lojas de bicicletas


Rui Pereira

A minha Specialized Allez Steel é de 2011. Não são os oito anos que a fazem diferente, mas as suas caraterísticas clássicas. Digamos que é uma bicicleta simples e moderna baseada em soluções e imagem de outros tempos - É uma clássica-moderna! Ao contrário da maioria, escolhi especificamente este modelo. Não é por acaso que é a única que por cá anda!
Isso é tudo muito bonito, mas substituir ou alterar algum componente nem sempre é tarefa fácil, pelo menos localmente. Percebo que as lojas têm de subsistir e serem rentáveis, portanto, posicionam-se de acordo com a procura.  Assim, estão basicamente vocacionadas para a competição e o desporto, com um enfoque muito grande para as últimas novidades dos construtores de bicicletas e para as últimas soluções tecnológicas dos componentes e acessórios, tendo a eficácia e a eficiência como principais objetivos. Refletem assim a postura da indústria que pedala ao encontro da procura e influencia esta com a constante criação de novas necessidades.
Mais uma vez digo, percebo perfeitamente este posicionamento das lojas de bicicletas locais, mas isso não me impede de ter pena por não haver mais procura e oferta de um segmento mais tradicional na construção e na estética, e mais prático e funcional na utilização, que a mim tanto me diz. Não me impede de ficar com pena por não ter a possibilidade de entrar numa loja que me encha as medidas, como acontece quando me desloco ao exterior. É pena!
A título de exemplo - há uns tempos atrás tive um problema com o tubo de selim. Não foi fácil arranjar um tubo de selim cromado semelhante e compatível. Claro que online, em teoria, facilmente resolveria o problema, mas gosto de ir aos locais, de ver presencialmente as peças, de tocar-lhes…
A minha Allez Steel vai finalmente receber os cuidados técnicos e estéticos que considero necessários. Apesar de tudo, já tenho todos os componentes que vou substituir. Comprei uns, adaptei outros e ainda recuperei alguns que lhe pertenciam e tinham sido substituídos. Nada de muito especial, só o básico, tal como ela é. As marcas da idade e das vicissitudes do seu uso lá estão, mas naquilo que for possível, quero-a novamente na sua melhor forma e cada vez mais bonita! É que ainda temos muito para rolar…

10.02.17

Negócio de bicicletas


Rui Pereira

Às vezes, sentado ao computador a ver uma página de internet de uma loja de bicicletas, começo a divagar num sonho acordado, em que me vejo na liderança de um negócio semelhante. Acredito que quem viva minimamente as bicicletas, que é mais do que apenas andar nelas, já tenha sonhado com algo semelhante. Obter o sustento de algo que é tão significativo e importante para nós, não é trabalho, é satisfação, é realização, é prazer!
Uma loja de rua, bem no centro de uma cidade, integrada no comércio tradicional. Um edifício antigo. Madeiras. Luz quente. Uma loja diferente, mais tradicional, mais intimista, um ponto de encontro, quanto mais não seja para dois dedos de conversa. Uma espécie de museu. Um local de produtos clássicos e robustos, combinando estética intemporal e parâmetros atuais. Aquela qualidade dos materiais de sempre, aquela manufatura manual. Bicicletas destinadas à sua função mais básica – a deslocação. E não só. Bicicletas à porta. Um espaço de contemplação. Um espaço de recordações!
De repente, sou puxado para uma realidade de compromissos, de legalidades, de custos, de exigências, de burocracia, de responsabilidades, de sustentabilidade! Realidade que me arrefece tanto como se tivesse levado com um grande balde de água fria! Acordo, embora acordado, e resigno-me… Não tenho nenhuma arte. Não construo, não restauro, não reparo. É mais um contra. Nada que o tempo e a experiência não contornassem. Mais o maior problema é o medo. O medo do fracasso, da incapacidade, do desconhecido, da dificuldade, da entrega, do incómodo!
E por isso mesmo, tiro o meu chapéu [capacete] a quem encara de frente esta pesada realidade e, contra tudo e todos, avança em busca da sua concretização!