Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

As bicicletas são uma coisa séria que me fizeram regressar à idade da brincadeira e experimentar o verdadeiro sentido da palavra liberdade!

18.09.20

Rendido!

Autocolantes


Rui Pereira

Gosto das coisas simples e sóbrias. Minimalistas. Ao mesmo tempo, um toque de extravagância e exuberância também me cativa.
Mantive muito tempo uma bicicleta original. Achava que não valia a pena mudá-la. Um dia, já nem sei bem porquê, decidi montar-lhe um guiador novo, de cor, forma e dimensão diferentes, e fiquei muito agradado com o resultado. Muito mesmo! Não só pela estética, mas também pela condução proporcionada.
Entre arriscar e manter, tendencialmente vou para a segunda opção. Desta vez, decidi arriscar. Peguei na embalagem carregada de autocolantes que me foram gentilmente oferecidos e iniciei o processo de escolha e experimentação.
Colei, cuidadosamente, um por um…
Rendi-me!

gloria_autocolantes.jpg

16.09.20

Quem a viu e quem a vê!

Gloria Magenta


Rui Pereira

A minha mais recente bicicleta de carreto fixo ganhou uma relevância digna de registo entre as minhas bicicletas. E de forma algo inesperada.
Esta bicicleta foi comprada um pouco por empurrão, pois no dia definido para a ir buscar, já não o queria fazer.
Não queria mais uma bicicleta, apenas para ter mais uma bicicleta. Ainda por cima, não vi nada que me tivesse cativado especialmente. Era apenas mais uma e não se enquadrava nos meus critérios de seleção, exceção feita ao facto de não ter mudanças e ter um carreto fixo, e ter uma rodas giras.


Antes


Iniciada a sua desmontagem comecei a vê-la com outros olhos. Entre alguns atributos próprios e o que tinha disponível ao nível dos componentes, constatei que talvez tivesse uma boa base para empreender uma personalização.
Mesma na ausência de pressa, as coisas aconteceram de forma fluida e ligeira. Em poucos dias tinha a bicicleta montada, minimamente ao meu gosto, basicamente com aquilo que tinha, praticamente sem investimento para além do valor despendido na sua compra.
Tudo isto aconteceu sem andar nela. O primeiro teste foi importante para aferir a sua capacidade de rolar e possíveis problemas inerentes.
Foram encontrados alguns, que desde logo desvalorizei. Ou tentei, já que não tardou e estava a tentar arranjar alternativas. Mais trocas de componentes e mais testes aconteceram, inclusive quando no “desconfinamento” decidi que esta seria a minha parceira de deslocações na cidade.
Cheguei a um ponto que… quem a viu e quem a vê!
Quando pensei ter o processo concluído, foram-me oferecidos uns autocolantes com muito potencial para dar aquele toque final. E surgiu uma mensagem que anunciava a disponibilidade de uns punhos (laranja) que tinha visto uns meses antes, entretanto, descartados.

gloria_resultado.jpg
Depois


O receio de ficar com uma bicicleta demasiadamente a condizer revelou-se infundado.
A Gloria Magenta está com a imagem que queria. Na verdade, está com uma imagem que nunca esperei conseguir.
Ficam apenas a faltar uns outros pedais de plataforma e respetivas correias (straps).
Acho eu...

16.12.19

"Projeto" concluído!

Gloria Magenta


Rui Pereira

A Gloria Magenta está pronta. Não foi uma grande preparação/personalização, mas estou muito satisfeito com o resultado.
Tal como pretendido, os únicos componentes que tive de comprar foram duas câmaras-de-ar, e foi porque inutilizei uma na montagem, de resto, aproveitei tudo o que tinha em casa.

gloria_magenta3.jpg


Lista de componentes: Punhos; terminais de punhos; campainha “I love my bike”; manete de travão; espiral de cabo; parafusos; pedais plataforma com gaiolas; selim.
A primeira coisa que fiz, depois de uma limpeza geral, foi corrigir a colagem do logotipo da marca na coluna de direção e dar alguns retoques na pintura. Ficaram por dar uns nas rodas, que farei assim que arranjar a cor em causa.

gloria_magenta2.jpg


Abdiquei do sistema de travão traseiro, uma vez que ficou definida na configuração carreto fixo. Encurtei o guiador original em seis centímetros.
O quadro da Gloria é grande (e pesado) – 57 e ainda não tive a oportunidade de a experimentar sem ser estaticamente, mas não me parece que isso venha a ser um problema, até porque terá um uso mais específico.

gloria_magenta1.jpg


Estava com disponibilidade para encarar calmamente este processo de preparação da Gloria Magenta, mas nem uma semana passou e ficou despachada. Foi uma questão de aproveitar o fim de semana de mau tempo. Não andei de bicicleta, mas tive agarrado a elas!

11.12.19

"Projeto"!

Gloria Magenta


Rui Pereira

gloria_quadro.jpg

Ao contrário do que é normal, já que fico logo em pulgas para ter a coisa concluída, não estou com pressa para terminar este “projeto”.
Para já, a Gloria está desmontada. E vai levar uma limpeza. Os seus componentes também. Depois, de entre estes e os que tenho arrumados de outras bicicletas, vou escolher aqueles que serão montados e os que terei eventualmente de comprar.
Mais do que querer uma bicicleta para começar logo a andar, queria uma base para fazer uma montagem minimamente personalizada. Não existem quaisquer condicionalismos práticos. Não terá de ser confortável ou fácil de utilizar. Será apenas aquilo que tiver de ser, até porque não me vem preencher nenhuma lacuna ou necessidade. A única premissa existente passa por aproveitar o máximo existente e comprar/gastar o menos possível.
É muito provável que seja essencialmente uma "carreto fixo" e não uma "roda livre", mas ainda não está decidido (o facto é que ambos os componentes estão montados no cubo, basta rodar a roda). Tal como ainda vou ver se lhe monto pedais de encaixe ou com “gaiola”, guiador reto ou com elevação, largo ou estreito, punhos ou fitas, travão único ou travões e respetivas manetes, etc.
Uma coisa é certa, vai perder aquele aspeto utilitário. Aquele farol, aqueles punhos castanhos enormes e aquele selim de “pasteleira” com molas e tudo…

19.06.19

Guiador e moldura!


Rui Pereira

Segunda foi dia de testar mais a fundo a nova geometria da fixed-gear. Desde logo, por ser um guiador sem elevação, obriga a uma posição mais radical, com o tronco deitado sobre a frente, compensando apenas com um maior controlo na condução, por ser substancialmente mais comprido. A pedalar de pé e em carga notei alguma instabilidade pontual, com a bicicleta a mostrar tendência para fazer derivas laterais, mas a subir sentado, mesmo com as mãos mais afastadas, a posição revelou-se bastante acertada. Com o novo guiador optei por instalar outros punhos e, apesar de gostar deles, acho-os sempre demasiado finos. Em jeito de conclusão, posso dizer que foi uma alteração muito positiva. Inclusive no capítulo da estética, e aqui junta-se também a opinião do meu assistente, os ganhos foram expressivos.

roll_feel_logo.jpg


A par desta alteração, aproveitei para explorar uma possibilidade que esta bicicleta oferece, mas que nunca lhe dei a devida atenção. A coluna de direção vem equipada com uma espécie de moldura que identifica a bicicleta e fomenta a personalização da mesma, permitindo adicionar uma imagem ao nosso gosto. Ou simplesmente deixá-la vazia, que foi o que fiz até agora. Assim, recortei uma fotografia antiga do meu assistente e “levei-o” a passear comigo, de capacete e tudo. Infelizmente chovei e não a tinha plastificado…

16.06.19

Em brasa!


Rui Pereira

O livro FIXED – Global fixed-gear bike culture veio baralhar-me as ideias.
Tive uma manhã inteira a fazer skids. Uma semana depois ainda tenho dores numa perna. Já tinha idade para ter juízo... Que se lixe!

roll_feel.jpg
Tive à procura de um guiador novo para a fixed-gear. Encontrei um que até agora ninguém quis... Melhor para mim. Ok, não é preto, mas foi barato e dá perfeitamente para o que quero. Gostei do resultado! A posição de condução é mais agressiva, por ser consideravelmente mais baixa, mas ao mesmo tempo, a sensação de controlo é superior devido ao seu maior comprimento. E dá aquele toque personalizado mais radical.
Gosto de imaginar que estou em brasa na minha relação com a gótica. Fantasiar é fácil. Mas…

Este texto é um pretexto para enfiar aqui um videoclipe de rap, com nome a condizer e tudo. É um gosto relativamente recente. Aprendi a gostar de hip-hop e de rap pelas batidas empregues, mas acima de tudo, pela competência da escrita dos MC, jogando com as palavras em forma de rimas carregadas de sentido. E depois pela capacidade de as debitar a grande velocidade conseguindo a musicalidade certa.
Para além da mania para andar em bicicletas estranhas tenho esta tendência para ouvir músicas de puto. O que é que hei de fazer? Não consigo viver sem estas merd@s...

11.09.17

Roubaix – Melhorar; renovar; personalizar.


Rui Pereira

Uma bicicleta nova, ainda por cima usada (faz sentido?), “obriga” sempre a algumas alterações e consequente investimento. Pois bem, a Roubaix não foi exceção, tal como temia.

A saga de abertura dos cordões à bolsa começou pelos pneus. Por baixo, portanto. Contrastando com o valor despendido, que os pneus de estrada são finos, mas caros que se fartam. Há duas semanas notei uma deformação considerável no pneu dianteiro da bicicleta. Ainda pensei numa solução de recurso, considerando o seu estado aparente e o meu reduzido stock de pneus, mas numa bicicleta de estrada os pneus devem receber um respeito especial… Venham de lá dois Specialized Turbo Pro e câmaras-de-ar novas.

turbo_pro.jpg

 

Nunca gostei das fitas do guiador da Roubaix. Ou melhor, as fitas eram boas, mas a forma como estavam enroladas não. Demasiado curtas na zona superior do guiador e com uns “enchimentos” desnecessários num guiador já de si bastante grosso para o meu gosto. Parecia que tinha umas bolas debaixo das mãos… Que se tire os “enchimentos” superiores e venham de lá umas fitas da Pro devidamente enroladas.

fita_pro.jpg

 

Um colega deu-me dois suportes de garrafa quando comprei a bicicleta. Tinha-os em casa sem uso, mal sabendo que pouco tempo depois e por minha influência estaria também ele a comprar uma Roubaix! Ainda perguntei se queria que lhe devolvesse os ditos, ao que prontamente negou. Mas aconteceu. Devolvi-lhe porque não eram bem aquilo que queria... Venham de lá dois Cascade Cage II da marca, tecnicamente inferiores, mas com a forma e a cor certas. Sem dúvida que os suportes dele ficam muito melhor na sua bicicleta do que na minha. Mas obrigado na mesma.

cascade_cage.jpg