Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

A visão de um ciclista açoriano sobre as bicicletas e o ciclismo.

11.06.19

SKIDS!


Rui Pereira

«… doíam-me músculos que nem sabia que existiam!»
É uma expressão muito dita, mas que pessoalmente não utilizo, embora saiba perfeitamente o que são dores musculares incapacitantes advindas de exercícios a que o corpo não está rotinado.
Domingo acordei determinado. Omelete para o pequeno-almoço e direito à garagem para trocar os pneus à fixie. Objetivo: SKIDS!
Um skid é uma manobra que consiste em bloquear a roda traseira de uma bicicleta de carreto fixo sem recurso a travões auxiliares. Basicamente é parar os pedais e respetiva roda com a força das pernas. A técnica inicial é teoricamente simples (velocidade adequada, pedais paralelos, perna dominante empurra o pedal para baixo, a outra puxa o outro pedal para cima e alivia-se a roda traseira do peso do corpo), mas exige treino e alguma destreza. É preciso alguma força e sobretudo jeito, que se adquire com a prática.
Já tinha tentado e feito tímidos skids, essencialmente em superfícies com pouco atrito que me facilitavam o bloqueio da roda traseira. E também já me tinha capacitado que não era manobra para mim. Mas mudei de ideias.
Uma bicicleta de carreto fixo pode ser muita coisa, menos permissiva. Hesitas? Falhas? Atrapalhas-te? Ou tens sorte ou pagas por isso. Algumas tentativas foram mais ou menos falhadas, mas estava tão determinado a conseguir fazer skids que o resultado acabou por ser muito positivo. Não posso dizer que domino a técnica e acho que nunca o vou poder dizer, mas já tenho uma noção geral de como fazê-lo, seja por vontade, seja por necessidade.
Resultado: Sorriso (apreensivo) no rosto da satisfação de atingir (minimamente) o objetivo… e umas dores nas pernas, algumas, em músculos que nunca tinha sentido!

02.04.19

Pedalando...


Rui Pereira

É aos seus comandos que estou bem. Com os sentidos despertos, mas tranquilo. A usufruir da estrada e do ambiente que a envolve. Sou o seu passageiro, mas também o seu motor. É a minha força física e o movimento contínuo da pedalada que a impulsiona para a frente. Ouço as árvores agitadas pelo vento, os pássaros, o caraterístico roçar da borracha sobre o asfalto. Somos só nós os dois. Eu e ela. Mas ao mesmo tempo, sou só eu. A pedalar. Só, apenas com os meus pensamentos.

roll_rolar.jpg

21.01.19

Um ciclista e duas belas bicicletas – O registo!


Rui Pereira

Há muito que queria tirar uma fotografia com as minhas duas bicicletas preferidas. A clássica-moderna de um lado (preferencialmente do direito já que é mais pesada!) e a carreto-fixo do outro. Tinha idealizado (mais ou menos) o que se consegue ver na fotografia. Podia ser outra posição qualquer, mas não, era assim... Um ciclista durão a erguer as suas bikes! - Ah-ah!

allez_roll1.jpg


Depois de uma produção cuidada, que é como quem diz, vestir a t-shirt da RodaGira e meter um boné de ciclista à moda antiga com a pala virada para cima, foi pegar nas bicicletas, passar-lhes um paninho microfibras (paninho?!) e ir para a rua com elas. Pelo pouco que se consegue vislumbrar do céu percebe-se que a luz era ótima e se a sessão tivesse durado mais um minuto teria sido brindada com chuva e tudo. O cenário escolhido é o já conhecido muro amarelo do meu vizinho, um clássico, e o fotografo achou que a GoPro seria melhor do que o telemóvel para captar o momento. Já agora, o fotografo era o meu filho.
A cara estranha, um misto entre o acabado de acordar, o apreensivo, o sofrido e o impaciente (a seriedade já é habitual), teve a ver com a tentativa de disfarçar o esforço implícito. É aquela cara de quem tem os ombros prestes a explodir, porque tê-las erguidas dessa maneira, principalmente quando a GoPro decide reiniciar, e manter uma aparência descontraída, não é fácil. E isso é bastante notório! Adicionando também umas proporções meias esquisitas talvez motivadas pela grande angular da câmara...
O resultado final ficou aquém do que tinha idealizado e ponderei eliminar definitivamente as três imagens obtidas. Mas, depois de tanto planeamento e preparação, aqui fica…

02.07.18

A encantadora!


Rui Pereira

Um dos problemas de ter várias bicicletas é que em determinado momento existem algumas delas que vão estar mais paradas do que seria desejável.
A minha Globe Roll é uma daquelas bicicletas que, pelas suas caraterísticas, não permite uma utilização muito abrangente, até pelo contrário, exigindo condições específicas. Não é bicicleta para voltas muito longas, nem muito desafiantes ao nível do percurso e das suas diferenças de altimetria.
É, por isso mesmo, uma das mais relegadas ao suporte…
Mas quando decido que está na hora de lhe levar para a estrada, depois daquele primeiro embate motivado pela falta de velocidades, pelo seu carreto fixo, pela ausência de travão traseiro, é das bicicletas que mais me dá prazer!
O facto é que nem sei explicar bem porquê, até porque são alguns constrangimentos e outro tanto de agressividade, e masoquismo não é muito a minha onda…
Julgo que palavras como diferença e desafio podem fazer parte da equação e do encanto. Sim, encanto. Esta bicicleta tem esta capacidade sobre mim…
A mais pura. A mais simples. A mais encantadora!

roll_portao.jpg