Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

A visão de um ciclista açoriano sobre as bicicletas e o ciclismo.

07.07.20

Fixies, skids, joelhos, presente, futuro!


Rui Pereira

Os meus joelhos ressentem-se dos skids
Mas é mais forte do que eu, agora que finalmente domino a manobra com mais à vontade e não resisto fazê-la. E não posso exatamente usar o argumento - necessidade, uma vez que para contrariar o movimento excessivo dos pedais à força de pernas conto com o auxílio do travão dianteiro.
Os meus joelhos também se ressentem desta mesma rotação elevada e da minha oposição…
Passa-me tanta coisa pela cabeça…
Não ter nem 20 nem 30 anos, que é o mesmo que dizer que devia ter-me dedicado mais cedo e que já tenho idade para ter juízo; ter de gerir as minhas mazelas e respetivas consequências; estar a desgastar pneu escusadamente.
Ou a memória é curta ou a atração é tão grande que nada é motivo para, domingo após domingo, não levar a fixed-gear para a estrada.
Quem anda de bicicleta sabe que a luta com a respetiva é uma constante. No caso de uma bicicleta tão peculiar a luta é ainda mais intensa, crua e visceral.
Será que o meu joelho esquerdo vai aguentar mais uma ou duas décadas disso? Não sei. Tenho consciência que é preciso alguma moderação e preservação, mas não vou deixar aquilo que tanto gozo me dá fazer em nome do incerto.
Assim, o certo é que (muito provavelmente) vou-me queixar do(s) joelho(s)...
Não é uma coisa boa, mas acho que existem piores. Como por exemplo, daqui a uns anos, estar sentado num sofá em frente à televisão, com os joelhos lixados na mesma, já sem poder andar de bicicleta, a pensar no quanto devia ter aproveitado hoje…

globe_arvores.jpg

11.06.19

SKIDS!


Rui Pereira

«… doíam-me músculos que nem sabia que existiam!»
É uma expressão muito dita, mas que pessoalmente não utilizo, embora saiba perfeitamente o que são dores musculares incapacitantes advindas de exercícios a que o corpo não está rotinado.
Domingo acordei determinado. Omelete para o pequeno-almoço e direito à garagem para trocar os pneus à fixie. Objetivo: SKIDS!
Um skid é uma manobra que consiste em bloquear a roda traseira de uma bicicleta de carreto fixo sem recurso a travões auxiliares. Basicamente é parar os pedais e respetiva roda com a força das pernas. A técnica inicial é teoricamente simples (velocidade adequada, pedais paralelos, perna dominante empurra o pedal para baixo, a outra puxa o outro pedal para cima e alivia-se a roda traseira do peso do corpo), mas exige treino e alguma destreza. É preciso alguma força e sobretudo jeito, que se adquire com a prática.
Já tinha tentado e feito tímidos skids, essencialmente em superfícies com pouco atrito que me facilitavam o bloqueio da roda traseira. E também já me tinha capacitado que não era manobra para mim. Mas mudei de ideias.
Uma bicicleta de carreto fixo pode ser muita coisa, menos permissiva. Hesitas? Falhas? Atrapalhas-te? Ou tens sorte ou pagas por isso. Algumas tentativas foram mais ou menos falhadas, mas estava tão determinado a conseguir fazer skids que o resultado acabou por ser muito positivo. Não posso dizer que domino a técnica e acho que nunca o vou poder dizer, mas já tenho uma noção geral de como fazê-lo, seja por vontade, seja por necessidade.
Resultado: Sorriso (apreensivo) no rosto da satisfação de atingir (minimamente) o objetivo… e umas dores nas pernas, algumas, em músculos que nunca tinha sentido!