Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

A visão de um ciclista açoriano sobre as bicicletas e o ciclismo.

06.11.19

3 Horas BTT – Specialized FSRxc Pro


Rui Pereira

A última vez que fiz uma resistência em BTT, a minha FSRxc estava impossibilitada de andar com um problema no amortecedor. Na empresa onde estava a ser assistida, a mesma que patrocinava o evento, disponibilizaram-me uma bicicleta semelhante para poder participar.
Embora da mesma marca [Specialized] e segmento [Trail], tratava-se de uma Camber Comp 29, um modelo moderno, com algumas inovações, apresentando como grande diferença a superior dimensão das rodas. Mesmo assim a adaptação foi imediata.
Desta vez tinha a minha bicicleta apta. Deixei-a ainda mais apta no dia que antecedeu a prova. Aquela limpeza da praxe e a lubrificação da transmissão e de outros pontos de acionamento e fricção.

fsr_xc_pinhalpaz.jpg


Adivinhando um terreno húmido com a chuva que se fez sentir, troquei os pneus, o traseiro por um igual, mas com melhor piso, o dianteiro por um de desenho mais agressivo. O local em causa não é de fazer muita lama nem nada disso, mas em algumas zonas o piso é solto, noutras, escorregadio. Não sei se fez muita diferença, mas psicologicamente saber que tinha um pneu com mais agarre na frente deixou-me com certeza mais descansado. Até porque já lá vai o tempo em que me sentia muito confiante sobre uma BTT.
A minha companheira, apesar das suas naturais limitações, esteve sempre impecável. Nem uma queixa, nem um barulhinho, nada. Claro que gosto de ter outras experiências, de poder testar uma bicicleta diferente, apesar de ter algumas reservas quando se tratam de coisas que não são minhas, mas para me sentir bem e totalmente à vontade, dentro das minhas naturais limitações, é aos comandos da minha "velhinha" Specialized FSRxc Pro!

31.10.19

No Pinhal da Paz em 2010 e 2019

Provas de Resistência em BTT


Rui Pereira

28.10.19

3 Horas BTT CC-Bike Rental – Pinhal da Paz


Rui Pereira

Assim que soube que a segunda prova de resistência em BTT deste ano seria no Pinhal da Paz, fiquei com vontade de participar. A primeira e única resistência realizada neste espetacular local aconteceu em 2010, onde participei na altura, ainda com 4 horas de duração.
Uma bela manhã de domingo, com algum sol a marcar presença, mas com um piso húmido advindo da chuva que caiu nos dias anteriores - tal como gosto. O percurso traçado neste parque florestal era simplesmente fantástico! Sinuoso, variado e divertido, a exigir pernas, alguma condução e trabalho com a transmissão. Gostei dos ganchos a subir, das passagens lado a lado, das duas descidas finais separadas por uma pequena lomba...

btt_PinhalPaz_DJSousa.jpg
Fotografia: DJ Sousa


O traçado era perfeito para alguém que, como eu, não liga à competição, não tem preparação, tem uma bicicleta da velha guarda, gosta muito de BTT e não tem disponibilidade para ser confrontado com demasiadas dificuldades, mas também não é adepto da monotonia associada à total ausência das mesmas.
Por mais que tenha rodado de forma descontraída, que tenha tentado hidratar-me e alimentar-me a cada hora que passava, com pausas incluídas, e que acima de tudo me estivesse a divertir bastante, existe sempre algum esforço e sofrimento inerentes, pouco habituado que estou a desafios do género. Não vou negar que o regresso a casa me custou um pouco, uma vez que fui e vim da prova pelos meus próprios meios.

btt_PinhalPaz_FCPhoto.jpg
Fotografia: Francisco Carreiro


Deu para recordar o tempo em que saía todos os domingos de BTT e em grupo. Voltas que eram cuidadosamente delineadas mentalmente durante a semana. Onde entusiasmo e boa disposição eram as palavras de ordem. Levar a bicicleta sobre terra, pedras e lama era sinónimo de prazer e divertimento garantidos.
Confesso que estive indecisivo até à última para me inscrever nesta prova. Num impulso final, fi-lo. Decisão certa!

15.10.19

Impávida e serena!


Rui Pereira

Sempre a mesma sequência, o mesmo método, o mesmo ritual. É o dia oficial de sair com ela!
Aperto as fitas de velcro dos sapatos, ajusto o capacete, ponho as luvas e os óculos. Fecho o portão da garagem. Estamos frios, estranhos. A familiarização é rápida, mas as pernas pedalam trôpegas. Alivio a transmissão. Acuso as irregularidades do terreno, mesmo que digeridas pelas suspensões…
Aumento o ritmo, a confiança. A gravilha levantada pelos pneus fustiga o quadro. Isso e o rolar dos pneus compõem aquela velha banda sonora de sempre. O movimento brusco da direção é um aviso para manter a concentração...
Serro os dentes e deixo correr, aliviando a sua frente do meu peso. Seguro-a de forma firme, mas não rígida e tento não pensar no pior. Corrijo a trajetória com um ligeiro de toque de travões...
Esforço, empenho, ritmo e controlo. O resto é estado de fluxo. O resto é prazer!
A minha velha e resistente companheira de “guerra”, muita pancada aguenta!
E quem a vê nunca diria… sempre tão impávida e serena!

muro_bike.jpg

01.10.19

Pose!


Rui Pereira

Peguei-lhe pelo braço e disse:
- Vamos!
Ela acedeu.
Iniciei o diálogo, a tentar medir-lhe o pulso.
Impávida!
A caminhada leva-nos por caminhos algo tortuosos.
Apercebo-me da dificuldade…
Nisso, ela reage com brusquidão!
Ia perdendo o equilíbrio…
Mas não vacilei.
- Olha, vamos por aqui!
Fomos sem oposição.
Avistamos o mar.
- Paramos?
Não responde. Apenas posa relaxada para a fotografia.

bike_monteverde.jpg

05.09.19

Ilusão


Rui Pereira

Tantas vezes afirmei a minha preferência pelo BTT.
Na prática, o BTT e respetiva bicicleta que lhe dá o nome não passam de uma ilusão presa a um suporte, dia após dia.
O uso esporádico, quase que obrigatório, passa essencialmente pela necessidade de minimizar possíveis danos e gastos correspondentes. Ou porque está a chover. Ou por pena...
Desfazer-me dela não é um cenário possível. Não serei capaz.
A ilusão está presa a um suporte e eu preso a ela estou!

fsrxc_arco.jpg