Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

A visão de um ciclista açoriano sobre as bicicletas e o ciclismo.

04.11.20

Foi com ela que tudo começou!

Specialized Allez Steel


Rui Pereira

Materializei a minha renovada visão do mundo das bicicletas com a aquisição da Specialized Allez Steel.


(Specialized Allez Steel - 2011 / Imagem: 2019)


Depois daquele período inicial de grande entusiasmo e euforia, com todos aqueles desejos disfarçados de necessidades, perfeitamente enquadrados com os padrões mais consumistas, mudei efetivamente de postura, preferências, objetivos e prioridades.
Desinteressei-me da competição, mudei o foco das minhas intenções e ponderei muito mais as aquisições. Desliguei-me das tendências mais atuais, dos topos de gama e dos últimos gritos tecnológicos. Passei a privilegiar os produtos clássicos, tradicionais e intemporais. Com menos prazo de validade. Mesmo os mais recentes, mas com aquela imagem de sempre. Fiz um regresso às origens fascinado que fiquei com as bicicletas de carreto fixo.
Reuni um número considerável de bicicletas, mas tenho a desculpa de que as sete somam um valor total ridiculamente baixo quando comparado com os valores que se tornaram banais por aí.

- Quando adquiri a Allez já tinha a BTT. Ainda a tenho e não tenciono desfazer-me. Está lá com as suas rodas 26 e está muito bem;
- A dobrável portuguesa, a fazer lembrar a bicicleta que tive em miúdo, foi decisiva para implementar a minha vontade de deixar de fazer deslocações ridículas com o automóvel;
- Um sonho concretizado - a minha primeira fixed-gear. Na altura, com muitas dúvidas. Estava longe de pensar que seria hoje a minha bicicleta mais solicitada;
- Rotinas diárias associadas à bicicleta estabelecidas. Altura de ter uma citadina tradicional, menos limitada do que a dobrável, para poder ir mais além neste departamento;
- Fiz uma inflexão no sentido que seguia. A certa altura desejei algumas soluções mais modernas numa bicicleta de estrada. Do aço para o carbono;
- Mais uma fixed-gear. Só por curiosidade, nova custou-me apenas 16% do valor da anterior que foi comprada usada.

O aço e a liga de aço dominam. A tradição e a simplicidade também. A pureza, a estética, a envolvência, os desafios e as sensações inerentes definem a linha que escolhi. E com esta a seleção das bicicletas.

Uma das principais é a Specialized Allez Steel e, na prática, foi com ela que tudo começou!

24.06.20

Estradas


Rui Pereira

allez_street1.jpg
Ainda hoje falamos de estradas. Eu e um amigo. Existem tantas e tão bonitas. Estradas que, pela sua envolvência e traçado, nos fazem esquecer as suas dificuldades ou até o nosso destino, pelo simples prazer de as percorrer.
Estradas desertas onde não se ouve nada. Ou melhor, onde se ouve apenas a vegetação ao sabor do vento, os pássaros e o som que a transmissão da bicicleta deixa escapar, advindo da pedalada em ritmo de contemplação.
Também é por elas que gosto tanto de andar de bicicleta. Por elas, por aquilo que as rodeiam, para onde nos levam. Não, não basta pedalar…
Diz-se que a vida é muito curta para se andar com uma bicicleta feia. Concordo. E acrescento: uma bicicleta bonita deve andar sempre numa estrada igualmente bonita!
As “minhas” estradas são cenários a pedir contemplação e um registo. O registo nem sempre acontece, sob pena de comprometer a fluidez e o ritmo do passeio. Quanto ao resto, abrando, respiro fundo, aguço os sentidos e aproveito o melhor que posso.

allez_street2.jpg

24.06.19

"Rimango Sola"


Rui Pereira

allez_hortensias.jpg


Ouvi pela primeira vez Yolanda Soares decorria o ano de 2010, o mesmo do lançamento do seu álbum “Metamorphosis”. Uma talentosa artista portuguesa que desconhecia por completo até então. Fui imediatamente cativado por um som incrível que revelava uma fantástica fusão entre o clássico e o moderno. E a sua voz… Bem, a sua voz…

24.06.19

Specialized Allez Steel – Sempre!


Rui Pereira

alle_steel.jpg


Depois de uma pesquisa e respetiva análise, a decisão de compra desta bicicleta surge com uma pequena e infantil chantagem - “Eu só vou, se comprar esta bicicleta!” Isso foi num fim-de-semana. Segunda-feira estava na loja a encomendá-la.
A sua aquisição marcou, definitivamente, o ponto de viragem na minha forma de encarar o ciclismo e as bicicletas. Antes, estava demasiado formatado pelas influências do meio onde me inseria. Depois, tudo mudou. Comecei a valorizar o básico, o simples, o clássico, o retro. Vi que as bicicletas eram muito mais do que ferramentas de desporto e competição. Passei a seguir os nichos em vez das massas. Descobri novas culturas e estilos de vida que giram em torno de outras bicicletas. Nunca mais olhei para trás!
Durante algum tempo foi a minha única bicicleta de estrada. Os constrangimentos e até o sofrimento que senti aos seus comandos, não são nada comparados com o gozo e o prazer que tive, e tenho, sempre que saio com a Allez à rua. Aliás, mesmo sem sair, só apreciar-lhe a beleza estaticamente já é motivo de orgulho e regozijo.