Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bike Azores

A experimentar o verdadeiro sentido da palavra liberdade!

01.11.22

Bicicleta “non grata”

Specialized Roubaix Comp


Rui Pereira

roubaix_gorreana.jpg
Eu com a injustiçada Roubaix - Plantações de Chá Gorreana, Ribeira Grande.


Esta é a minha melhor bicicleta, mas também é aquela que mais gera sentimentos contraditórios e indefinição. Pode ser a melhor na teoria e na prática, e gosto dela, mas não é a minha preferida. Aliás, é aquela bicicleta com que nunca me identifiquei totalmente e, por isso mesmo, é a mais descartável sempre que coloco esta possibilidade em cima da mesa. Ainda bem que nunca aconteceu. Marcado por um episódio infeliz na altura em que a minha prioridade eram as motas, tenho muita dificuldade em desfazer-me de qualquer uma das minhas bicicletas, certo que só reconhecerei o seu real valor tarde demais.

Quero aumentar a regularidade das minhas pedaladas. Cedo facilmente à logística implicada na saída. No equipar-me, na escolha da bicicleta. Também argumento (para mim) com a falta de tempo, com as condições meteorológicas e com a importância do descanso. É possível minimizar os efeitos da meteorologia e, na verdade, não costumo estar assim tão cansado, já preguiçoso… Equipar-me adequadamente, tendo em conta as condições, e escolher a bicicleta entre várias é chato, mas nada disso justifica a decisão de não sair. E claro que tenho tempo, por mais condicionado que esteja. A verdade é que não ter objetivos de treino por não fazer competição, nem ter grandes necessidades físicas por exercitar o corpo de outras formas não ajudam.

Acho que esta minha bicicleta "non grata” dava uma boa companheira de saídas ao fim do dia. Ficava sempre de prevenção, com umas luzes montadas. Sendo que é mais leve, compacta e acessível seria mais fácil de pegar e levar...

11.10.22

Parei os pedais…


Rui Pereira

Um dos problemas que costumava ter aos comandos das minhas bicicletas de carreto fixo era esquecer-me que não estava numa bicicleta convencional. Querer ajeitar-me no selim ou esticar as pernas, ou simplesmente parar de pedalar. A reação era instantânea e brusca quanto baste. Tantas vezes que verbalizei para mim próprio – não podes parar de pedalar!
Este domingo fui fazer uns reconhecimentos para os lados do Nordeste e levei a bicicleta de estrada para o efeito. Claro que estes tiveram por base a volta à ilha em bicicleta de carreto fixo, portanto, é normal que estivesse sempre a pensar em carreto fixo. Pela primeira vez dou por mim, numa zona essencialmente plana, mas ligeiramente a descer, sem deixar de pedalar por estar certo que não o podia fazer. Neste caso, verbalizei para mim próprio – nesta podes parar de pedalar! – Parei os pedais e sorri.

roubaix_ponte.jpg

 

28.09.22

A vida às partes


Rui Pereira

Sempre me levei muito a sério.
Preocupado com a minha reputação, com a opinião dos outros sobre mim e com o defraudar da mesma.
Era meu objetivo manter a imagem séria, compenetrada, cuidada e racional. E então sempre apliquei muitos filtros, quer na escrita quer nas imagens partilhadas. Embora esta atenção também se justificasse com sentido estético e privacidade e aquela maniazinha da perfeição.
Falo no passado, mas o certo é que ainda tenho esta preocupação. Embora tenha a noção de que a necessidade de parecer sempre bem e certo não é saudável. Nem sequer natural e verdadeira.
Não é mentira, mas é uma parte da minha vida, não é a minha vida!
Tenho tentado descontrair. Não tenho de parecer ser mais inteligente, esperto e bonito do que realmente sou. Não tenho de ter as maiores habilidades com as palavras, nem com a câmara fotográfica do telemóvel.
Não será sinónimo de desmazelo e aleatoriedade partilhar algo menos estético ou filtrado, parvo ou ridículo. Nem sempre faço coisas relevantes. Existem coisas que simplesmente acontecem e são uma parte considerável da minha vida.
Não tenho de me levar tão a sério!

roubaix_e_eu.jpg
Apanhado a limpar as pernas com os peúgos, à porta da garagem, depois da volta de bicicleta.
Aconteceu. Faz parte. (Não era suposto partilhar esta imagem)

07.12.20

O que dizer de uma bicicleta que tem andado parada?


Rui Pereira

roubaix_mural_voluntariado.jpg


Uma das minhas estratégias para escrever alguma coisa é ir buscar assunto a uma imagem. Tinha esta guardada para futura publicação. Uma vez que é datada seria engraçado fazê-la coincidir com o dia em questão. Foi sábado, passou.
Tem (mais) palco agora, mas com atraso e sem conseguir arrancar melhores palavras do que as presentes. Percebo a nobreza e a importância da data e do ato, no entanto, não tenho nada a acrescentar por assumida ignorância.
Também não conheço o(s) autor(es) deste mural. É bonito e bem-intencionado. E veio dar alguma cor e alegria a uma zona meia sombria e de estruturas gastas.
Da bicicleta que posa já podia falar com mais legitimidade. Mas também não há muito a dizer…
O que dizer de uma bicicleta que tem andado parada?

28.09.20

Alerta amarelo!


Rui Pereira

Fazendo fé nos avisos meteorológicos para domingo, onde os aguaceiros fortes seriam uma possibilidade, desisti da ideia que tinha para a minha tradicional volta semanal. Na verdade, se a intenção fosse posta em prática, tradicional não seria a palavra mais indicada para a descrever. Mas haverão com certeza mais domingos com previsões meteorológicas menos… amarelas.
Peguei noutra bicicleta e segui o rumo que não era suposto. O máximo que apanhei foi o piso pontualmente molhado, nada mais. Assim sendo, a volta receosa acabou por se alongar para além das 3 horas. As mesmas razões que me levaram a optar por uma alternativa improvisada devem justificar o facto de sobrarem dedos de uma mão se contar o número de ciclistas com que me cruzei.
Em conversa com um amigo, chegou-se à conclusão que um dos problemas destes avisos é o resultado poder ser o mesmo da história de "Pedro e o Lobo"… O facto, é que são previsões. E perante indícios, antes assim do que não os fazer e depois acontecerem situações.
Mau mesmo era se não tivesse saído.

roubai_rota.jpg
*Imagem meramente ilustrativa. Não corresponde ao passeio de ontem. A bicicleta sim.

17.09.20

Farol


Rui Pereira

roubaix_farol.jpg

 

A minha caminhada ciclística é guiada pelas minhas bicicletas.
Os sonhos, os objetivos, as prioridades e os gostos foram mudando.
Na terra, na estrada, com e sem mudanças, sem e com carreto fixo.
O caminho percorrido, mais do que diversificado, é evolução.
Hoje, ando em qualquer uma delas com à vontade, sem desculpas nem preconceitos.
Vou quando, aonde, como e com qual quero. Com elas sou livre!
E, cada vez mais, sei para onde quero ir. Sei o que quero fazer.
Os resultados dependem do tempo... Há tempo!
O percurso está iluminado. As bicicletas são o meu farol.
Condição? A minha opção!

09.09.19

Ganhamos os dois


Rui Pereira

A Specialized Roubaix é a bicicleta mais moderna que tenho. Não tem as últimas especificações das atuais bicicletas de estrada, mas, desde logo, o seu quadro em carbono e alguns dos seus componentes denunciam estarmos perante uma bicicleta mais recente. De todas é a mais eficiente, veloz e confortável, mas não é necessariamente a minha preferida, até porque gosto de todas, cada uma delas de uma forma diferente e especial.

roubaix_mural.jpg


Recentemente ponderei trocá-la. Desfazer-me dela para adquirir uma gravel/adventure de conceção clássica e tradicional, portanto, nada de muito moderno e com melhores características. A desvalorização implícita fez-me desistir da ideia.
Esta minha Roubaix um dia vai ser uma clássica. Espero conseguir conservar-lhe mais ou menos como está e ter sempre a saúde necessária para lhe dar o devido uso. Ganho eu e ganha ela. Ganhamos os dois.

21.05.19

Quando as diferenças são indiferentes


Rui Pereira

triban500_roubaix.jpg

 

As duas bicicletas aqui em causa são muito diferentes. Pelos conceitos apresentados, pelos materiais e equipamentos empregues, pelos valores envolvidos.
A proprietária da Btwin Triban 500, que se viu obrigada a comprar uma nova bicicleta depois da sua ter sido roubada, queria uma bicicleta prática, simples, robusta e acessível, que pudesse utilizar à vontade e levar para todo o lado. O proprietário da Specialized Roubaix Comp, já possuidor de uma bicicleta de estrada de inspiração clássica, comprou-a para satisfazer aquele desejo de ter mais uma bicicleta, mais moderna e específica, para usufruir de tudo o que isso implica.
O propósito principal de quem compra uma bicicleta será sempre pedalá-la, mas estas pedaladas poderão ter inúmeras necessidades e direções implícitas. A minha Roubaix é significativamente superior à Triban, mas será que fazia sentido a minha mulher ter algo igual ou equivalente quando os seus objetivos são tão claros e as suas necessidades tão básicas?
Não, não fazia sentido. Ela basicamente quer uma bicicleta que funcione e que a leve até onde as suas limitações pessoais permitirem, não as da bicicleta. Que não lhe exija cuidados, que a bicicleta é para andar. Se cair, caiu. E se está suja, suja fica, que é da maneira que passa ainda mais despercebida.
Fomos os dois, pela mesma estrada e até ao mesmo destino, cada um com a sua bicicleta e à sua maneira. E viemos. Função cumprida!